‘O capitalismo não quer assumir responsabilidades’, alerta István Mészáros

Por Paulo Pastor Monteiro As pessoas não podem somente esperar algo dos partidos e achar que estão fazendo política “quando colocam o papel em uma urna”. O teórico aponta que os trabalhadores e grupos críticos do capitalismo precisam, em escala global, desenvolver e propor ações interligadas que façam frente ao capital. “Não é fácil apontar uma resposta para um problema deste nível. Por isso, é preciso que as pessoas busquem em parceria uma solução”.

Continue lendo 

Por Paulo Pastor Monteiro para oOpera Mundi

O teórico húngaro, aos 81 anos, em São Paulo.

Quando Rosa Luxemburgo escreveu a frase “Socialismo ou Barbárie” (no ensaio The Junius Pamphlet, 1916) para apontar as escolhas que os países tinham, ela se referia à segunda opção como um produto natural do capitalismo. “Se ela escrevesse essa frase hoje, o título deveria ser: ‘Barbárie… se tivermos sorte’”.

A tirada irônica foi feita pelo professor e teórico marxista, István Mészáros, em uma palestra que fez parte do lançamento de dois livros: István Mészáros e os desafios do tempo histórico (Organizações Ivana Jinkings e Rodrigo Nobile) e o segundo volume de Estrutura Social e Formas de Consciência, do próprio Mészáros. Além do número 16 da revista Margem Esquerda, da editora Boitempo. O evento ocorreu na quarta-feira (08/06) no teatro TUCA, em São Paulo.

Durante a palestra, Mészáros criticou a ideia do capitalismo como um sistema eficiente para a humanidade. “O capitalismo é tido como a melhor opção. Então porque, mesmo em tempos de superprodução, ainda há pessoas que se revoltem contra a fome?” questiona o professor.

Ele explica que, atualmente, a sociedade global funciona de acordo com três pilares: o capital (que tem o capitalismo como subsistema), o Estado e o Trabalho. “Para haver mudanças efetivas, precisamos substituir essas bases e não consertá-las”, explica.

O capitalismo criou uma lógica de funcionamento na qual ninguém assume a responsabilidade pelos problemas que ele cria, afirma. “O sistema que estamos operando toma decisões e nenhum personagem assume a responsabilidade por elas, como se ninguém pudesse ser responsabilizado”, aponta o professor

Crise de 29: um ‘chá da tarde’

Ele conta que, nos últimos meses de 1967, conversava com um amigo e ouviu dele que o capitalismo finalmente tinha se organizado e estava funcionando de uma maneira mais justa e menos desequilibrada.

“A minha resposta foi que a crise de 1929 era é um “chá da tarde com biscoitos” comparada às próximas crises. Logo alguns meses depois da nossa conversa, deram-se os acontecimentos de maio de 1968. Vocês se lembram o que aconteceu em maio de 68, não lembram?”, brinca o professor.

Ao falar sobre a atual crise econômica, Mészáros argumenta que esta não é uma das crises cíclicas que ocorrem a cada sete ou dez anos como as outras, mas uma profunda crise na estrutura do capitalismo.

De acordo com sua análise, ainda não há sinais de uma recuperação da economia mundial. As chamadas “ondas ascendentes” – termo usado para definir períodos de recuperação econômica – ainda não vieram. Apesar de alguns países aparentemente demonstrarem alguma reação, ninguém apresentou uma solução estrutural, via capitalismo, para os problemas mundiais.

A guerra como saída

Mészáros cita o general alemão Carl von Clausewitz que, em seu livro Da guerra (Vom Kriege, no original), fez a seguinte pergunta: “O que é a guerra?”. E cuja resposta era: “É a continuação da política por outros meios”.

Para o teórico marxista, o capitalismo usa a guerra, que é um “mecanismo anacrônico”, para tentar solucionar os seus problemas mais imediatos. Ele lembra o ex-presidente dos Estados Unidos, Dwight Eisenhower, o qual alertou que capitalismo estava excessivamente atrelado ao complexo da indústria militar.

“As guerras espalhadas ao redor do mundo não estão resolvendo os problemas do capitalismo. Por isso, é possível ver que está sendo preparado o cenário de uma Terceira Guerra Mundial. Alguns militares norte-americanos já começam a argumentar que é legítimo usar armamento nuclear contra qualquer país”, observa.

Consciência mundial

Para Mészáros, a saída para a “crise estrutural” passa necessariamente por uma tomada de consciência mundial. “É preciso uma ação global unificada, com uma visão estratégia de fundo político, para que sejamos capazes de encontrar uma solução para essa crise estrutural”.

As pessoas não podem somente esperar algo dos partidos e achar que estão fazendo política “quando colocam o papel em uma urna”. O teórico aponta que os trabalhadores e grupos críticos do capitalismo precisam, em escala global, desenvolver e propor ações interligadas que façam frente ao capital. “Não é fácil apontar uma resposta para um problema deste nível. Por isso, é preciso que as pessoas busquem em parceria uma solução”.

Ele também critica a atuação dos partidos de esquerda na Europa os quais, ao longo do tempo, foram mudando as suas políticas e posicionamentos aderindo à social-democracia e, após isso, ao neoliberalismo. “O antigo partido comunista italiano, que se autodenominava democratas de esquerda, retiraram a palavra ‘esquerda’ e se autodenominaram somente democratas”, cita o professor.

Suicídios em massa na França

Agradeço à amiga Paula pela excelente sugestão de pauta. Como ela bem definiu, “é de apavorar até o último fio de cabelo”. Uma certeza eu tenho: é o capitalismo, estúpido! Mas o tema merece o devido aprofundamento sociológico. Por isso, vou recorrer a Émile Durkheim e Zigmunt Bauman, dentre outros, e volto a isso em breve. Por agora, introduzo aqui esse assunto seríssimo, sobre o qual pouco (ou nada) vejo nossa mídia falar. Confira a seguinte matéria, de um portal português, e outros links.

Nota do QTMD?: Agradeço à amiga Paula pela excelente sugestão de pauta. Como ela bem definiu, “é de apavorar até o último fio de cabelo”. Uma certeza eu tenho: é o capitalismo, estúpido! Mas o tema merece o devido aprofundamento sociológico. Por isso, vou recorrer a Émile Durkheim e Zigmunt Bauman, dentre outros, e volto a isso em breve. Por agora, introduzo aqui esse assunto seríssimo, sobre o qual pouco (ou nada) vejo nossa mídia falar. Confira a seguinte matéria, de um portal português, e outros links.

———- // ————-

Funcionário da France Télécom imola-se pelo fogo

Um trabalhador do grupo France Télécom auto-imolou-se hoje em Bordéus (sudeste), o mais recente acto de desespero que volta a questionar os métodos de gestão da empresa marcada por cerca de 60 suicídios desde 2008.

“Estamos consternados com a notícia da morte de um assalariado (…) que pôs termo à vida ao imolar-se esta manhã no parque de estacionamento da agência de Márignac” (arredores de Bordéus), referiu em comunicado a direção do gigante francês de telecomunicações.

“Os serviços de emergência que chegaram ao local apenas puderam confirmar a morte deste funcionário com a idade de 57 anos”, acrescenta o texto.

De acordo com um responsável sindical, o pai de quatro filhos, funcionário da France Télécom há mais de 30 anos e considerado um “profissional muito reconhecido”, estava a ser forçado a mudar frequentemente de local de trabalho.

“Esta mobilidade imposta forçou-o a vender a sua casa. Escreveu por diversas vezes à sua direcção e não terá obtido resposta, como sucede em muitos outros casos”, disse à agência France Presse o líder sindical François Deschamps, do sindicato CFE-CGC-Unsa.

“O método empregue é de uma violência inaudita. Imolar-se pelo fogo não é um acto anódino”, sublinhou.

Na perspetiva de diversos dirigentes sindicais, está-se perante a última vítima de um sistema de gestão de pessoal que pretende tornar a France Télécom num dos gigantes mundiais da internet e das comunicações móveis.

O sindicalista Sébastien Crozier considerou que esta última vítima “fazia parte das pessoas que foram vergadas pelo período Lombard”, o nome do antigo director-geral Didier Lombard.

Designado presidente em 2005, Didier Lombard cedeu em Março de 2010 a direção da empresa a Stéphane Richard, próximo do ministro da Economia Christine Lagarde. O novo patrão foi incumbido da missão imediata de pôr termo à vaga de suicídios.

Leia também:

Cinco suicídios na France Telecom em duas semanas

France Telecóm reconhece suicídios de 32 funcionários

Empregados da France Telecom à beira da depressão

%d blogueiros gostam disto: