Vacinas para que te quero!

Por Eduardo de Azeredo Costa* É possível que as pessoas estejam preocupadas e mesmo confusas com o noticiáriosobre vacinas contra o novo coronavirus pandêmico (SARS-Cov-2) nesse contexto deuma corrida onde a colaboração e a disputa andam juntas e marcam a linha de uma ética que precisa, no mínimo, realçar as diferenças onde se escondem a … Continue lendo Vacinas para que te quero!

VACINAS À VISTA? COOPERAÇÃO OU CONCORRÊNCIA? – POR EDUARDO COSTA

Por Eduardo Azeredo Costa* Desde o início dessa pandemia a China deu exemplos de que tem muito a ensinar para o mundo, ainda que, muitas vezes, sejam lições conhecidas, mas jogadas fora pelos países que adotaram o modelo neoliberal a partir das décadas 1980-90. Desde o início dessa pandemia a China deu exemplos de que … Continue lendo VACINAS À VISTA? COOPERAÇÃO OU CONCORRÊNCIA? – POR EDUARDO COSTA

Busca ativa ou testagem de massa?

Por Eduardo Azeredo Costa* O noticiário brasileiro há algumas semanas traduz como ‘testagem de massa’ a inicativa de busca ativa de casos da COVID-19, sem explicá-la, tornando a atividade de testagem um mero indicador para comparações de ações entre países. Assim, como o Brasil não a pratica (figura A), fica criada a corrida pela testagem. … Continue lendo Busca ativa ou testagem de massa?

MOVIMENTO NACIONAL PELA JUSTIÇA SOCIAL*

A pátria não é ninguém; são todos; e cada qual tem no seio dela o mesmo direito à ideia, à palavra, à associação. A pátria não é um sistema, nem uma seita, nem um monopólio, nem uma forma de governo; é o céu, o solo, o povo, a tradição, a consciência, o lar, o berço dos filhos e o túmulo dos antepassados, a comunhão da lei, da língua e da liberdade. Rui Barbosa

O estúpido congelamento de salários pelos governadores

Por J. Carlos de Assis                Os governadores aceitaram a imposição de Guedes e de Bolsonaro para congelar salários. Pobres governadores, não sabem o que fazem. Muito provavelmente têm uma assessoria política totalmente ignorante de economia. Cortar salário significa cortar demanda. Cortar demanda significa cortar investimento. Cortar investimento significa derrubar a arrecadação de impostos. Derrubar a … Continue lendo O estúpido congelamento de salários pelos governadores

Para epidemiologista proposta de lockdown atesta falta de inteligência epidemiológica

O médico sanitarista e epidemiologista Eduardo Azeredo Costa é um crítico da proposta de lockdown feita pela Fiocruz. Costa, que foi diretor de Farmanguinhos, acredita que "lockdown é mais do mesmo". Para ele, "o momento é de vigilância e controle epidemiológico". O médico lamenta ainda a falta de um plano de ação para o período pós-isolamento social. E questiona: "46 milhões de testes para quê?"

Deputado federal Rubens Otoni aciona MPF para garantir EPIs ao SUS

Faltam EPIs para os profissionais de medicina no combate à pandemia de coronavírus. Por Renato Dias, de Brasília Sem isolamento social horizontal, longe da universalização de medidas protetivas, com os exemplos negativos do presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, o deputado federal Rubens Otoni Gomide [PT] informa, com exclusividade, ter protocolado representação no Ministério Público … Continue lendo Deputado federal Rubens Otoni aciona MPF para garantir EPIs ao SUS

Jardel Sebba: ‘Eleitor não votou em Moro’

O ex-presidente da Assembleia Legislativa de Goiás, Jardel Sebba Por Renato Dias O eleitor não votou em Sérgio Moro para a presidência da República, dispara o ex-presidente da Assembleia Legislativa Jardel Sebba [PSDB]. Quem deve mandar é Jair Messias Bolsonaro, insiste. O ex - magistrado saiu com um comportamento não republicano do Ministério da Justiça … Continue lendo Jardel Sebba: ‘Eleitor não votou em Moro’

“Governo Bolsonaro acabou”, diz deputado federal de Goiás

O deputado federal Rubens Otoni Gomide (PT-GO). Por Renato Dias, especial – De Brasília A saída de Sérgio Moro, do Ministério da Justiça e Segurança  Pública, é ‘oportunista’, dispara o deputado federal Rubens Otoni [PT-GO]. Servil a Jair Bolsonaro, desde a condenação de Luiz Inácio Lula da Silva, sem provas, com base em ilações, que … Continue lendo “Governo Bolsonaro acabou”, diz deputado federal de Goiás

“Caminhamos para um colapso e o grande responsável é o presidente”, diz ex-ministro da Saúde

O médico sanitarista José Gomes Temporão na época em que era ministro da Saúde. Foto: EBC Por Ana Helena Tavares, jornalista “Nós poderíamos estar conversando lado a lado, aqueles beijinhos iniciais, um abraço, um cumprimento, mas estamos aqui (cada um em sua casa numa conversa por vídeo). Claro que isso mexe com todos nós, uma … Continue lendo “Caminhamos para um colapso e o grande responsável é o presidente”, diz ex-ministro da Saúde

FORTALECER O SUS – TAREFA NACIONAL. A propósito da epidemia do CoVID -19 no Brasil

Por Eduardo Azeredo Costa Vai passar? Sim, vai passar. E ninguém tem dúvida de que a humanidade sobreviverá e continuará sua história na Terra. Cremos que deixará legados. Bons e maus. Quais serão, para além de uma tênue memória do episódio, 100 anos depois, como a da pandemia da gripe espanhola de 1918/19?

Ao pedir jejum no Domingo de Ramos, Bolsonaro ofende o estado laico e o catolicismo que diz seguir

Não é papel do mandatário de um país pluricultural, com uma Constituição laica e cujo povo forma um mosaico de crenças propor à população práticas relativas a uma determinada religião, no caso o cristianismo. Isso, por si só, já torna errado o chamado de Bolsonaro por um jejum. Mas a situação se agrava pelo fato de que ele se apresenta como católico

Cônsul da China no Rio escreve carta aberta a Eduardo Bolsonaro

Li Yang e Eduardo Bolsonaro. Fotos: reprodução/CEBC e Lula Marques. Valorize as Relações China-Brasil, Deputado Eduardo Deputado Eduardo, no tuíte que você postou no dia 1 de abril,  chamou o Covid-19 de "vírus chinês", o que se trata de mais um insulto à China que você fez depois de ter postado tuítes em 18 de … Continue lendo Cônsul da China no Rio escreve carta aberta a Eduardo Bolsonaro

A mão invisível do mercado estava segurando o volante nas carreatas contra o isolamento, diz professor de economia

Para o professor de economia Eduardo Amazonas, a chamada “mão invisível” do mercado não é tão invisível assim. Ela estava segurando o volante nas carreatas contra o isolamento social, realizadas na última sexta, 27 de março:

Epidemiologista considera “surpreendente” evolução rápida da pandemia e defende isolamento horizontal

As estratégias de enfrentamento a pandemias são dinâmicas, alteráveis dependendo da experiência do momento. Mesmo no meio científico, há ainda muitas dúvidas sobre o novo coronavírus (Covid-19). E, dependendo das respostas que possam ser encontradas, a evolução pode surpreender e as estratégias podem mudar, exigindo, por exemplo, um maior ou menor grau de isolamento. Essa incerteza ocorre por vários fatores. Um deles é a característica mutável dos vírus em geral, como explica o médico sanitarista e epidemiologista Eduardo Azeredo Costa, que concedeu entrevista ao QTMD? em 22 de março.

Para médico sanitarista, Mandetta fez o certo ao alertar sobre colapso do SUS

No último dia 20 de março, o médico ortopedista Luiz Henrique Mandetta, que já tem o seu lugar reservado nos livros de história simplesmente por ser o ministro da Saúde no Brasil durante a pandemia de coronavírus, declarou que, se nada for feito, o SUS entrará em colapso em abril, quando se prevê o pico da doença no país. Embora Mandetta tenha mudado de discurso depois, a sua previsão, que num primeiro momento poderia soar apocalíptica, tem base na realidade, segundo o experiente médico sanitarista e epidemiologista Eduardo Azeredo Costa.

"O desastre Bolsonaro é muito maior do que o do coronavírus", diz sanitarista

O médico sanitarista e epidemiologista Eduardo Azeredo Costa, que foi diretor de Farmanguinhos e trabalhou cerca de 30 anos na Fiocruz, é enfático ao afirmar que "disciplina social é central para controlar doenças". Mas como exigir do povo essa disciplina se o principal mandatário da República, o presidente do país, debocha da situação e não passa confiança?

O humano, o social, o epidemiológico. É preciso conciliar, alerta médico

o médico sanitarista Pedro Reginaldo Prata chama atenção para a importância de se levar em conta as consequências sociais e humanas, além dos aspectos epidemiológicos, quando se trata da imposição de quarentena para o enfrentamento de uma pandemia, como a de coronavírus (COVID-19).

"Governos do Brasil e dos EUA vivem da notícia mentirosa", diz sanitarista

Ao ser questionado sobre se poderia esclarecer algumas dúvidas que pairam na cabeça da população nestes tempos de pandemia do coronavírus (COVID-19), o médico sanitarista, PhD em epidemiologia, Pedro Reginaldo Prata, não hesitou em acusar os governos do Brasil e dos EUA de serem, propositalmente, disseminadores de desinformação.

Médico sanitarista fala sobre a responsabilidade social em tempos de pandemia

Uma sociedade mais solidária pode surgir a partir da experiência com pandemias, como a do novo coronavírus (COVID-19). Essa é a avaliação do médico sanitarista, PhD em epidemiologia, com décadas de experiência na Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), Pedro Reginaldo Prata. Mas, para que essa esperança se concretize, é preciso que todos enxerguem sua responsabilidade social.

O torturador Ostrovski e o passado que assusta a neta, por Marcelo Auler

Marcelo Auler A defesa da honra é um direto constitucional de todos os cidadãos. Recorrer à Justiça contra aqueles que lhe destratam, além de ser legal, é compreensível. O inusitado, porém, é se deixar passar três décadas – na realidade, 34 anos – para se discutir na Justiça uma acusação que se considera injusta. Desonrosa. … Continue lendo O torturador Ostrovski e o passado que assusta a neta, por Marcelo Auler

Patricia Arce e Dom Adriano Hypólito: as tintas da intolerância e do fascismo

De todas as violências praticadas por grupos da extrema-direita na Bolívia, no atual processo golpista, o episódio mais chocante talvez tenha sido o sequestro de Patricia Arce, prefeita de Vinto, cidade de 60 mil habitantes na região de Cochabamba.

Filho de brigadeiro herói de guerra lamenta destruição do vínculo entre militares e o país

"Vai ser um caminho difícil, duro, sofrido até que as novas gerações de militares, de oficiais e subalternos consigam se reencontrar com seu POVO e seu PAÍS. Isso se realmente desejarem tal reencontro e o encontro novamente da razão de sua existência."

Sobre os surtos neofascistas e a covardia

Foto: Martin Acosta/Reuters A ex-presidenta Dilma Rousseff recebeu do jornal Estado de S. Paulo uma pergunta sobre o que ela pensa da defesa queEduardo Bolsonaro fez do AI-5, ao dizer que eventuais protestos contra o governo poderiam tornar necessário um ato de força semelhante. Eis a resposta, em nota enviada ao jornal: *SOBRE OS SURTOS … Continue lendo Sobre os surtos neofascistas e a covardia

Sínodo para a Amazônia e Crise Civilizatória

Por Dom Mauro Morelli* Sendo a Fé em Cristo a mesma em Osaka, New York, Roma ou no Rio de Janeiro, é a realidade que determina e diferencia o jeito de ser Igreja e configura caminhos e prioridades da evangelização. Na realidade local, regional e planetária, a Igreja deve estar inserida como testemunha e servidora … Continue lendo Sínodo para a Amazônia e Crise Civilizatória

Em sintonia com o Sínodo: Por que não um novo pacto?

Por Jorge Alexandre Alves*, no portal das CEBs Em 16 de Novembro de 1965, nos dias finais do Concílio Vaticano II, um grupo de 40 bispos se reuniu nas catacumbas de Domitila, nos subterrâneos da Cidade Eterna. Naquele espaço simbolicamente importante, relacionado aos primeiros cristãos que foram perseguidos até morte dentro do Império Romano, os … Continue lendo Em sintonia com o Sínodo: Por que não um novo pacto?

SíNODO DA AMAZôNIA: UM MARCO ECUMÊNICO

Por Marcos Habib*, texto dedicado a Vanessa Vasconcellos de Teresópolis/RJ O Papa Francisco como bom profeta e visionário conclamou o sínodo da Amazônia. Sua preocupação com meio ambiente e as mudanças climáticas é digna de apreço, bem como sua forma de respeitar a biodiversidade e tudo que nela há.  Ele soube acolher todas as visões … Continue lendo SíNODO DA AMAZôNIA: UM MARCO ECUMÊNICO

Dom Claudio Hummes coloca padres casados e mulheres em pauta no Sínodo

Foto: Andreas Solaro/AFP Sem perder tempo, o relator geral do Sínodo dos Bispos sobre a Amazônia, convocado pelo Papa Francisco, deu o pontapé inicial do evento nessa segunda-feira de manhã, colocando as questões dos padres casados e do papel da mulher, muito disputadas, diretamente sobre a mesa da assembleia. A reportagem é de John L. Allen Jr., publicada … Continue lendo Dom Claudio Hummes coloca padres casados e mulheres em pauta no Sínodo

SÍNODO DA AMAZÔNIA: COLOCAR A PERIFERIA NO CENTRO

Por José Oscar Beozzo*, direto de Roma, em 05 de outubro de 2019 A chamada para a prece ao 37º. dos 40 dias dia de “navegação” rumo ao Sínodo da Amazônia, recorda um fio que percorre toda a experiência bíblica: Deus se revela nos pequenos e nos humildes, provocando espanto e a incredulidade ou perguntas … Continue lendo SÍNODO DA AMAZÔNIA: COLOCAR A PERIFERIA NO CENTRO

Por que não proponho rezarmos pela proteção da natureza

 Marcelo Barros. Nesse domingo (29), passei em Veneza, convidado por um grupo cristão que prega a defesa da terra e da natureza, através de mudança no nosso estilo de vida. Pediram-me para falar da Amazônia e falei. À tarde, me levaram de barco a uma ilha belíssima da lagoa de Veneza: São Francisco do Deserto. … Continue lendo Por que não proponho rezarmos pela proteção da natureza

Morre Mello Bastos, piloto que salvou Jango

Por Ana Helena Tavares, jornalista Faleceu na última quinta-feira, 30 de maio, aos 101 anos, Paulo de Mello Bastos, conhecido como comandante Mello Bastos. Sindicalista destacado nas décadas de 1950 e 60, piloto habilidoso e militar legalista, estão, entre seus principais livros, "A caixa preta do golpe de 64" (Ed. Família Bastos) e "Salvo conduto … Continue lendo Morre Mello Bastos, piloto que salvou Jango

Biografia de Pedro Casaldáliga – Lançamento

A obra "Um bispo contra todas as cercas - A vida e as causas de Pedro Casaldáliga", de autoria da jornalista carioca Ana Helena Tavares, será lançada pela editora Gramma, em abril de 2019, após ter sido feito um financiamento coletivo para viabilizar a publicação. Neste financiamento, 930 exemplares foram vendidos antecipadamente. A partir do … Continue lendo Biografia de Pedro Casaldáliga – Lançamento

Pérez Esquivel e as Regras de Mandela

Por Carlos A. Lungarzo Esquivel e o “Efeito Nobel” Esquivel foi o quarto dos cinco prêmios Nobel da Argentina (paz, medicina e química) e o segundo da Paz. Ele obteve a distinção nessa área 44 anos depois do primeiro ganhador, o político Carlos Saavedra Lamas. Este era membro da oligarquia de Buenos Aires e chanceler … Continue lendo Pérez Esquivel e as Regras de Mandela

De onde vem seu ódio a Lula?, por Gilson Caroni Filho

Por Gilson Caroni Filho* Sabe, descobri que você gosta de ser chamado de fascista. Por pior que seja, é a primeira vez que sua visão simplória de mundo obtém reconhecimento político. E, convenhamos, no seu caso, é um upgrade e tanto. Não, não vou falar em política ou luta de classes. Vou tentar entender seus … Continue lendo De onde vem seu ódio a Lula?, por Gilson Caroni Filho

Pedro Casaldáliga ganha o título de cidadão de São Félix do Araguaia

Por Ana Helena Tavares Em sessão plenária realizada nesta sexta, 9 de fevereiro, a Câmara Municipal de São Félix do Araguaia aprovou, por unanimidade, projeto de lei que confere ao bispo emérito Dom Pedro Casaldáliga o título de cidadão são-felicense. Clique aqui para assistir à sessão. É a primeira vez que o bispo catalão, que … Continue lendo Pedro Casaldáliga ganha o título de cidadão de São Félix do Araguaia

O caminho de volta para o presidente Lula, por J. Carlos Assis

Por J. Carlos Assis* A sorte de Lula neste momento está selada. A rigor sua condenação no recurso do tribunal federal de Porto Alegre era esperada na medida em que fez parte de um golpe judicial-midiático a serviço das classes dominantes do país com suporte internacional. Só os ingênuos poderiam supor que o golpe desfechado … Continue lendo O caminho de volta para o presidente Lula, por J. Carlos Assis

Marcondes Namblá: desenhando com o próprio sangue

    “... meu ódio é o melhor de mim / Com ele me salvo /  e dou aos poucos uma esperança mínima”. (Carlos Drummond – A flor e a náusea) Por José Ribamar Bessa Freire* - Faça um desenho mostrando como são tratados, hoje, os índios no Brasil, imaginando que daqui a 400 anos um historiador o … Continue lendo Marcondes Namblá: desenhando com o próprio sangue

O “homão da porra” – A tautologia do ministro

“... Eu vejo um museu de grandes novidades”. (Cazuza) Por Flavio de Souza Lima*     Em meados do ano que passou, a expressão “homão da porra” virou meme. Personificada no ator Rodrigo Hilbert por sua polivalência. De acordo com o dicionário informal, ela é usada para se referir ao homem capaz de atos admiráveis, corajosos. Exemplo: … Continue lendo O “homão da porra” – A tautologia do ministro

A incômoda presença de Anitta, por Gilson Caroni Filho

por Gilson Caroni Filho* O que tinha para ser escrito sobre Anitta já foi. Alguns textos muito bem fundamentados. Outros, vindos de uma esquerda que se pensa vanguardista, lamentáveis. Valeu de tudo. Desde o uso de uma leitura funcionalista dos frankfurtianos sobre indústria cultural ao tradicional “nunca ouvi essa mulher”.   O conceito de cultura … Continue lendo A incômoda presença de Anitta, por Gilson Caroni Filho

História que não saberemos contar aos nossos netos, por J. Carlos de Assis

Um dia tentaremos contar a nossos filhos e netos a inacreditável história de um grande país que, como a Somália, tornou-se presa de piratas e bandidos. Será uma fábula envergonhada, pois nossos filhos e netos perguntarão espantados: “E vocês não fizeram nada?” O problema, nos desculparemos, é que ficamos esperando um pelos outros, tomando como … Continue lendo História que não saberemos contar aos nossos netos, por J. Carlos de Assis

Sobre a delação e a recusa, por Pedro Tierra

  Pertenço a uma geração que viu não poucos companheiros de luta voltarem das sessões de interrogatórios deformados pela brutalidade dos espancamentos para não entregar um ponto de encontro, uma informação, um documento. Para não delatar. Para não trair. Alguns simplesmente,  não voltaram. Pagaram com a morte seu silêncio. A delação era a ignomínia. A condenação ao ostracismo, à exclusão de qualquer ambiente de convívio social. A morte civil.