PM de Sérgio Cabral ocupa a sede da ABI para reprimir ato político

Por Mário Augusto Jakobskind (*)

Na quinta-feira da semana que passou, dia 19 de maio, o centro do Rio de Janeiro foi palco de um fato lamentável e que fez lembrar os anos de triste memória da época da ditadura. Quatro viaturas da PM, uma da Polícia Civil cercaram a entrada da ABI, na rua Araújo Porto Alegre 71. Os soldados, cerca de 10, sob o comando do Major Levy, ocuparam o local “preventivamente”, segundo o militar.

No auditório do 9º andar da ABI realizava-se um ato público em solidariedade aos 13 presos na manifestação contra a presença do Presidente Barack Obama, ocorrida em março último. Alguém, provavelmente um agente provocador, jogou um coquetel Molotov em um segurança do Consulado estadunidense, o que serviu de pretexto para a violência das prisões.

No ato de solidariedade aos presos, que estão respondendo processo, estavam presentes representantes de movimentos sociais e parlamentares, entre os quais o vereador niteroiense Reatinho, do PSOL. E é por aí que se pode entender o ato intimidatório da PM, cujo comandante supremo é o governador Sérgio Cabral. A força estadual de segurança quis dar o recado aos movimentos. Agiram como na época da ditadura.

O presidente da ABI, Azêdo e este conselheiro deixaram claro a indignação no diálogo que mantiveram com os militares que ocupavam a entrada da entidade, para saber de onde vinha à ordem para a operação. Disseram em alto e bom som que o que estava acontecendo repetia tristemente a época da ditadura. Azêdo comunicou-se com o governador manifestando o seu desagravo.

Enquanto isso, o Major Levy disse a este conselheiro que poderia deslocar as viaturas e os soldados para o outro lado da rua, proposta repudiada e que na verdade tentava apenas atenuar a intimidação, mas que em essência não resolveria o impasse. O Major Levy, alegando que apenas “obedecia ordens” disse que a “missão” que cumpria naquele momento era “apenas preventiva e não de repressão”.

Sergio Cabral ao receber o protesto do presidente da ABI ordenou ao secretário de Segurança Mariano Beltrame e ao comandante da PM, Coronel Paulo Sérgio, que resolvessem a questão. Os contingentes da PM se retiraram da entrada da ABI, mas duas viaturas permaneceram do outro lado da rua até o fim do ato de solidariedade, mantendo, portanto a intimidação.

O acontecido ilustra bem a forma com que o Poder Público do Estado do Rio lida com os movimentos sociais. A responsabilidade recai sobre o Governador Sérgio Cabral e de alguma forma demonstra que muitas vezes acaba até prevalecendo um poder paralelo na PM.

Se o Governador ordenou, se é que ordenou, o fim do constrangimento que ocorria na entrada da Casa dos Jornalistas, de quem veio ordem de continuar a intimidação aos movimentos sociais com viaturas em frente à sede da ABI?

Ficou muito claro que o Governo do Estado, em função dos megaeventos esportivos que se aproximam a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, pretende seguir intimidando os movimentos sociais, de forma a evitar que se mobilizem e protestem pacificamente, como aconteceu no 9ºandar da ABI.

Cabral conta com o silêncio da mídia de mercado, que mais uma vez simplesmente ignorou a ação da PM que fez lembrar os tristes anos da ditadura imperante no Brasil após a derrubada pela força do Presidente constitucional João Goulart. A imprensa foi informada sobre o fato, mas nenhum jornal, televisão ou rádio registrou a violência institucional.

Em compensação, passados mais de três meses que ladrões roubaram letreiros indicativos de nomes de fundadores e associados da ABI, na mesma entrada da sede da entidade dos jornalistas, a polícia até hoje não identificou os responsáveis pela ação. Possivelmente como a polícia, militar ou civil, prefere se ocupar na intimidação aos movimentos sociais, desvendar roubos como no saguão de entrada fica muito mais difícil, até impossível.

*Mario Augusto Jakobskind é jornalista.

Comente sem medo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s