Sobre constrangimentos e ousadias

Foto: AFP

Hoje o mundo nos ouve

Chegar à Alemanha “dando a honra de sua visita”, como saiu na imprensa alemã, e depois fazer declarações que vão contra os interesses imperialistas dos EUA seria “causar constrangimento” ou incomodar? Incomodar aos acomodados é, sem dúvida, uma das maiores ousadias do ser humano.

Por Ana Helena Tavares (publicado também no Observatório da Imprensa e na minha coluna na Revista Médio Paraíba)

Um líder mundial foi recebido esta semana na Alemanha como superstar. Não foram os “sins” que o levaram a tal nível – foram os “nãos”. Os nãos que deu à vida, quando esta tantas vezes parecia querer fadar-lhe ao fracasso. Os nãos que tem dado aos outros, quando estes tentam ganhar no grito. Os nãos que nunca imaginou que precisaria impor a si mesmo, provando que a política é a arte da flexibilidade – e apanhando por isso. Para quem não se deixa constranger pela vida, ousadia é o caminho natural.

Esse líder não é um negro com duas faculdades. Nem tampouco é branco. Tem a cor – e a dor – da miscigenação de seu país.

Luís Inácio Lula da Silva é o nome do cara. O mesmo que avisou que no Congresso há “300 picaretas com anel de doutor” é o mesmo que hoje diz que “imagens não falam por si”. “Uma mudança inaceitável”, alegam muitos. Só que dizer que “imagens não falam por si” não significa defender ninguém. Será que é possível governar considerando-os todos “picaretas” sem lhes conceder o benefício da dúvida? Não seria este benefício parte da democracia? Será que é possível governar sem o apoio de pelo menos uma parcela deles? Talvez tenha sido isso que Lula quis dizer quando afirmou que “Jesus teria que fazer aliança com Judas para governar este país”. A diferença é que Jesus sabia quem era seu Judas e nenhum de nós tem como prever com precisão quem serão os nossos.

A mudança é a lei da vida. “Eu mudo para continuar o mesmo”, dizia Sartre. Se hoje “a estrela vermelha na lapela está menor”, como afirma a matéria alemã “Lula superstar”, não quer dizer que – naquele que, um dia, inflamou multidões de metalúrgicos – os ideais progressistas tenham morrido (e a matéria deixa isso claro). Às vezes penso que, quem o via naquela época, imaginava que, quando eleito presidente, Lula transformaria Brasília em Sierra Maestra. Duvido que algum dia tenha tido este objetivo e, nem que tivesse, num contexto social como o nosso, jamais conseguiria governar sem o mercado internacional. O que não significa governar para o mercado, menos ainda por ele. Visitando-se alguns dos grotões mais pobres deste país é fácil se constatar para e por quem Lula governa.

Nas últimas décadas do século XX, o Brasil acostumou-se a governos totalmente submissos não só aos interesses do mercado como aos interesses das grandes potências. Durante anos, os “vira-latas”, de que falava o grande dramaturgo Nelson Rodrigues, não passaram de gatinhos assustados aceitando migalhas de Washington. Assim nos via a Alemanha, assim nos via o resto do mundo. Curiosamente, para a grande imprensa brasileira foram anos de festa. Freud há de explicar o amor pela submissão.

Dias Gomes, outro saudoso dramaturgo brasileiro que de vira-lata nada tinha, dizia: “Quem não nasceu para incomodar não merecia ter nascido”. Chegar à Alemanha “dando a honra de sua visita”, como saiu na imprensa alemã na matéria citada, e depois fazer declarações que vão contra os interesses imperialistas dos EUA seria “causar constrangimento” ou incomodar? Incomodar aos acomodados é, sem dúvida, uma das maiores ousadias do ser humano.

Que moral têm aqueles que recriminam Lula por ele manter relações diplomáticas com Ahmadinejad, que nega o Holocausto e precisa sim ser repudiado por isso, mas não o recriminam por manter relações semelhantes com o Estado de Israel, que há vários anos promove uma limpeza étnica entre os Palestinos? Não trata-se de uma pergunta anti-semita, mas sim anti-sionista, em repúdio àquela parcela de Israel que parece também ter se esquecido do Holocausto, utilizando as mesmas práticas que quase dizimaram seu povo.

O fato é: um país que se quer em destaque na cena mundial precisa e deve dialogar com todos. Dialogar é uma coisa, concordar é outra bem diferente. Submeter-se é outra mais diferente ainda. Lula é pessoa que não vive sem o diálogo. Foi o diálogo – sem submissão – o que fez dele um líder admirado por Bush, Clinton, Obama e All Gore; por Shimon Peres e Mahmoud Abbas; pelo banqueiro do ar condicionado e pelo trabalhador de sol e suor. Foi a arte do diálogo que fez com que hoje o Brasil seja ouvido pelo mundo.

Por que será que, como mostram os 80% de aprovação popular, grande parte dos trabalhadores deste país continua admirando tanto Lula? Porque é possível fazer política internacional sem se esquecer da interna.

É tênue a linha entre constrangimento e ousadia. Ousar é correr o risco de constranger a quem quer tudo como sempre esteve. Mas, por mais que parte da mídia nativa continue querendo impor rótulos ao presidente Lula, como aquele que “nos constrange frente ao mundo”, a arrebatadora aprovação interna e externa teima em querer provar que para quem ousa nessa vida, o sucesso é o caminho natural.

04 de Dezembro de 2009,
Ana Helena Tavares

Confira abaixo outros locais onde você também pode encontrar este texto:

No Portal Luís Nassif

No Recanto das Letras

No blog “Quem tem medo do Lula?”

No sol de quase Dezembro – Uma crônica para Caê

“O Globo”, além de ignorar mais um prêmio recebido por Lula, tratou de ir mais longe, dando chamada de capa e página interior inteira a Caetano Veloso que, em entrevista ao “Estadão”, “no sol de quase Dezembro”, resolveu destilar preconceito ao chamar Lula de “analfabeto”. Haja lenço para tanta amargura!

Por Ana Helena Tavares (publicado também no Observatório da Imprensa e na minha coluna na Revista Médio Paraíba)

Por dever do ofício que escolhi, recebo todos os dias de manhã alguns jornais integrantes da chamada “grande imprensa”. Mas como pode ser chamada de grande uma imprensa que, mais uma vez, ignora uma premiação internacional recebida pelo Presidente da República?

O prêmio “Chatham House” de estadista do ano, recebido ontem por Lula em Londres por sua atuação como “um motor-chave da estabilidade e da integração na América Latina”, é um prêmio jovem, porém a instituição que o concede anualmente desde 2005 goza de prestígio mundial. Não é, portanto, um premiozinho qualquer que mereça ser ignorado ao ponto de não ganhar nem mesmo uma notinha de pé-de-página.

Sim, em pelo menos dois deles, não há sequer uma notinha, por menor que seja, em nenhuma editoria. Por contrários que muitos profissionais de imprensa sejam ao governo Lula e/ou à figura dele, abster-se de dar, ao menos, uma nota de rodapé sobre vitórias internacionais que não são de Lula, como ele mesmo fez questão de frisar, mas sim do povo brasileiro, me parece, no mínimo, a negação do direito à informação e, conseqüentemente, a negação do jornalismo.

Em 1994, nos meses em que se deu a implantação do plano real, o Brasil “contou” com o jurista e diplomata Rubens Ricupero, como ministro da Fazenda. Flagrado em uma conversa secreta com o jornalista Carlos Monforte, atualmente na Globonews, Ricupero declarou: “Eu não tenho escrúpulos: o que é bom a gente fatura, o que é ruim a gente esconde.” 15 anos depois, a atuação da grande imprensa brasileira inverte a máxima: com o ruim se fatura, o bom precisa ser escondido. Bizarro gosto pela tragédia.

Lula, em discurso realizado dia 29 de Outubro, em São Paulo, feito de improviso para uma platéia repleta de catadores de lixo que, como ele bem lembrou, são tão cidadãos como qualquer outra pessoa, aconselhou aos jornalistas presentes que “esquecessem a pauta dos donos de jornal e se misturassem àquela gente que lá estava”. Sábias palavras. O problema é que a matéria produzida sofreria muito para ganhar uma única notinha de pé-de-página.

Recentemente, Lula disse que “o papel da imprensa é informar, não é investigar”. Discordo: não há informação confiável sem investigação. No entanto, para publicar ao menos uma frase sobre a premiação que ele recebeu ontem, a “nobre e grande” imprensa não precisaria sequer praticar este cansativo trabalho chamado investigação. No ambiente democrático da internet, a notícia se espalhou como pólvora, com direito a fotos de Lula segurando o diploma referente ao prêmio. Mais um para a vasta série: “todos os diplomas do presidente”.

À revelia disso, “O Globo” de hoje, além de ignorar o prêmio, tratou de ir mais longe, dando chamada de capa e página interior inteira a Caetano Veloso que, em entrevista ao “Estadão”, “no sol de quase Dezembro”, resolveu destilar preconceito ao chamar Lula de “analfabeto”. Haja lenço para tanta amargura!

Ontem em Londres, Lula, contrariando sua praxe de improvisos (nos quais ele demonstra sempre uma oratória arrasadora, diga-se), terminou um de seus discursos, o qual leu (a propósito, analfabeto lê?), citando Drummond: “temos apenas duas mãos, mas o sentimento do mundo”. Drummond é de um tempo em que “da sala de linotipos vinha a doce música mecânica”, como ele deixou registrado em seu “Poema do Jornal”. Hoje, as linotipos já quase não existem e a “música” que vem das grandes redações brasileiras é de uma dureza que faria inveja ao mais pesado Heavy Metal.

A distorção que existe entre a cobertura do governo Lula dedicada pela mídia internacional e a dedicada pela mídia nativa é algo que torna flagrante a partidarização de uma imprensa de mão única, que está entregue a um punhado de clãs retrógrados. Vem aí a I Conferência Nacional de Comunicação. Antes que “o som que vem das redações” torne-se de tal maneira ensurdecedor que jogue de vez por terra a credibilidade de uma profissão que já foi doce, se fazem urgentes medidas que possam reverter este quadro.

Já ouvi dizerem: “Ah, os jornalistas do exterior nem sabem onde fica o Brasil”. Engano: acabou este tempo. O Brasil tem causado tanto interesse no mundo que, cada vez mais, correspondentes internacionais vêm fazer a vida aqui. Quem lê a maior parte das matérias que estes correspondentes enviam para seus países e quem lê os dados de uma pesquisa feita este mês pela empresa “Imagem Corporativa”, é levado a crer que, para jornais que vão do “The Washington Post” ao “Clarín”, do “Le Monde” ao “China Daily”, nós vivemos num país que reflete com fidelidade as palavras de Lula em um de seus discursos de ontem: “o Brasil cansou de ser o país do futuro”. Um país que nossas capas de jornal não conhecem e pelas páginas internas ele passa correndo.

Voltando às declarações de Caetano ao “Estadão”, repercutidas euforicamente pelo jornal “O Globo” de hoje, ele declarou ainda acreditar que “Marina é Lula mais Obama”. Marina, por sua vez, aproveitou a contestável matemática do baiano, e disse: “Isso (o que Caetano falou) mais do que agrega, congrega. Vai criando uma força de pensamento e de debate político que vai além de quaisquer candidaturas ou de acordos da política tradicional e coloca em cena a sensibilidade das pessoas.” Será que, depois de toda a sua história política, ela realmente acha que alguém que chama publicamente Lula de analfabeto tem a intenção de fazer algo parecido com “congregar” e de “colocar em cena a sensibilidade das pessoas”? Não posso crer.

E Marina ainda fez questão de frisar que se sentia muito honrada, pois Lula e Obama são dois grandes estadistas. Apesar de a eleição de Obama ter representado um avanço inegável, o frisson que se tem feito em torno dele é bem maior do que o que de fato lhe cabe. E Marina também não está com esta bola toda, mas, ao que parece, é o que ela acha. Respeito muito a trajetória dela, mas é lamentável que ela esteja tão nitidamente fazendo o jogo da imprensa golpista e que, com o claro intuito de se promover, tenha se pronunciado tão oportunistamente.

Mas quem disse que a fatídica “Folha de S. Paulo” não noticiou o tal prêmio? Noticiou ontem mesmo, no próprio dia, um verdadeiro furo de reportagem. Tão falso quanto a ficha da Dilma e o câncer do Fidel. “Estatais patrocinam prêmio concedido a Lula em Londres”, era o título. E a matéria dizia: “A lista de empresas que patrocinaram ou apoiaram o prêmio que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebe hoje em Londres inclui três estatais (Petrobras, BB e BNDES), três empresas privadas brasileiras (Bradesco, Itaú e TAM) e várias companhias estrangeiras com interesses comerciais no país.” Mentira deslavada de um jornal invejoso com o claro intuito de desmoralizar o prêmio e diminuir sua importância. A Petrobras ainda se deu ao trabalho de apresentar em seu blog “Fatos e Dados” provas de que não patrocina o prêmio. Não sei se as outras empresas se pronunciaram de alguma forma, mas nem seria preciso: basta fazer uma pesquisa na extensa lista de membros e parceiros da “Chatham House”, disponível no site da instituição, para se constatar o tipo de prática da Folha.

Eu pergunto: isto é Jornalismo? Ou “jornaleirismo”?

A Serra S.A. (patrocinada por Globo, Folha, Estadão e Veja, entre outros) não engole, de jeito nenhum, que um presidente com a origem humilde de Lula ostente 81% de avaliação positiva, tenha conseguido trazer as olimpíadas de 2016 para o Rio de Janeiro e, agora, ainda ganhe mais um entre tantos prêmios. Quando Lula ganhou, em Julho, o Prêmio da Paz da UNESCO, a notícia até foi dada, com muito esforço, em páginas internas da grande imprensa. Isso porque era da UNESCO. Sabe como é, são muitos prêmios num mesmo ano, isso incomoda. É grande a dor-de-cotovelo de determinados setores que não se conformam com o fim da ditadura. Imaginem o tamanho do baque que levarão se, confirmando-se a expectativa de muitos, a grande imprensa for obrigada a noticiar que Lula ganhou o Nobel da Paz?

Sinceramente, nem quero imaginar o que farão (ou deixarão de fazer). Mas uma coisa eu sei, por dever do ofício que escolhi, talvez chegue o dia em que, estando numa redação de jornal, já irritada com o calor de Dezembro, eu ainda tenha que ouvir: “Pessoal, o FHC foi eleito síndico do Empire State! Vamos dar primeira página”.

06 de Novembro de 2009,
Ana Helena Tavares

Outros locais onde este texto está:

No sol de quase Dezembro – Uma crônica para Caê no “youPode”

No sol de quase Dezembro – Uma crônica para Caê no “Quem tem medo do Lula?”

No sol de quase Dezembro – Uma crônica para Caê no “Recanto das Letras”

No sol de quase Dezembro – Uma crônica para Caê no blog “Você passa por aqui”

No sol de quase Dezembro – Uma crônica para Caê no blog da Adriana Tasca

%d blogueiros gostam disto: