Ditadura

Um homem chamado rabino. Um cordel para Henry Sobel.

Cordel da Ordem dos Direitos Humanos
Para dizer ao Presidente Miliciano que o Cordel não só conhece História como é a própria História

Henry Sobel

Um Homem Chamado Rabino
Que denunciou a morte, sob tortura, de Vladimir Herzog, o saudoso Vlado

Henry Sobel, de estola branca, no enterro de Vladimir Herzog.

Na segunda ditadura
O Brasil vivenciou
Estatito da Tortura
Linha dura imperou
Muita gente exilada
Perseguida, assassinada
Um judeu se levantou

O judeu dos mais valentes
Do Direito um defensor
Totalmente diferente
De quem propaga horror
Henry Sobel era Rabino
Que ao povo Palestino
Sempre foi respeitador

Quando o jornalista Vlado
Teve preso no porão
De tanto ser torturado
Na Cadeira do Dragão
Amarrado, encapuzado
Molhado, eletrocutado
Veio a óbito, então

O Estado bandoleiro
Disse que Vlado judeu
Na ala dos prisioneiros
O suicídio cometeu
Mas no corpo do ativista
Marcas que davam na vista
Diziam o que ocorreu

Rabino Israelita
Profeta do Deus Eu Sou
Disse com sua voz bendita:
Vlado não se suicidou
Ao contrário, foi matado
Cruelmente torturado
Tanta dor não suportou

No velório, tal Rabino
Sim, fez dura acusação
Contra regime cretino
Tomou firme posição
Fez denuncia ao mundo inteiro
Do Estado Brasileiro
Que matava cidadão

Junto com Dom Evaristo
O Profeta Cardeal
Em nome do próprio Cristo
Fez Culto na Catedral
Em memória do ativista
Suicidado por fascista
Regime policial

Quem peitou a ditadura
Denunciando o terror
Soube honrar a Escritura
E seu Deus Libertador
Como profeta ousado
Recusou-se ser calado
Diante do opressor

Em tempos milicianos
Este ardente defensor
Dos Direitos Humanos
Contra o ódio de impostor
Fará falta na trincheira
Onde gente brasileira
Não dá trégua a ditador

Fará falta este Rabino
Nas trincheiras do atuar
Contra um Coiso assassino
Que satã fez levantar
Este satanista coiso
Com grupo religioso
Faz arminha pra matar

Quem peitou a ditadura
Assassina contumaz
Por seus atos de bravura
Na coragem tão audaz
Henry Sobel merecia
Pra alegria da Poesia
O Prêmio Nobel da Paz

Henry Sobel vai simbora
Pros rumos dos imortais
Lá pra donde hoje mora
Vlado dos memoriais
Foi simbora o Rabino
Com seu gesto tão divino
De lampejos pastorais

Jetro Cabano Fagundes
Farinheiro do Marajó e de Ananin

Categorias:Ditadura

Marcado como:,

Comente sem medo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s