Patricia Arce e Dom Adriano Hypólito: as tintas da intolerância e do fascismo

De todas as violências praticadas por grupos da extrema-direita na Bolívia, no atual processo golpista, o episódio mais chocante talvez tenha sido o sequestro de Patricia Arce, prefeita de Vinto, cidade de 60 mil habitantes na região de Cochabamba.

Rogério Marques

Por Rogério Marques, jornalista

De todas as violências praticadas por grupos da extrema-direita na Bolívia, no atual processo golpista, o episódio mais chocante talvez tenha sido o sequestro de Patricia Arce, prefeita de Vinto, cidade de 60 mil habitantes na região de Cochabamba.

Foto: STR/AFP

Patrícia teve os cabelos cortados por homens e foi pintada com uma tinta avermelhada, certamente por ser filiada ao Movimento ao Socialismo, mesmo partido do ex-presidente Evo Morales. Tudo foi filmado, fotografado e mostrado ao mundo através de redes sociais.

O episódio fez lembrar um outro ocorrido no Brasil em 1976, durante a ditadura militar, governo Geisel. O bispo de Nova Iguaçu, Baixada Fluminense, Dom Adriano Hypólito (1918 – 1996), também foi sequestrado e pintado de vermelho, além de sofrer espancamento e ter sido deixado nu.

Foto: acervo O Globo

Dom Adriano fazia um importante trabalho social na Baixada Fluminense e era um crítico da ditadura militar. O bastante para ser apontado como comunista por militares da extrema-direita, que na época praticavam atentados e assassinavam, na tortura, militantes como o operário Manuel Fiel Filho, em São Paulo.

No caso da prefeita Patricia Arce, o ato de cortar os cabelos tem também um simbolismo machista, como em guerras e conflitos étnicos no passado. A agressão não parou por aí: Patricia foi obrigada a caminhar suja, descalça, cabelos cortados em meio ao bando que a xingava.

Depois de resgatada pela polícia, ainda atônita, muito abalada, a prefeita declarou aos jornalistas: “”Sou livre e não vou me calar. Se querem me matar, que me matem. Como eu disse um dia, darei a minha vida por esse processo de mudança”.

Autor: Quem tem medo da democracia?

O QTMD é editado por Ana Helena Tavares, jornalista carioca que vai à praia no inverno para andar pelo calçadão de preferência pela contramão

Comente sem medo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: