Sem categoria

O “homão da porra” – A tautologia do ministro

hilbert-tricotando

“… Eu vejo um museu de grandes novidades”. (Cazuza)

Por Flavio de Souza Lima*

    Em meados do ano que passou, a expressão “homão da porra” virou meme. Personificada no ator Rodrigo Hilbert por sua polivalência. De acordo com o dicionário informal, ela é usada para se referir ao homem capaz de atos admiráveis, corajosos. Exemplo: QUE HOMÃO DA PORRA, DEFENDEU A FAMÍLIA DOS ASSALTANTES. Em Rodrigo, a alcunha grudou. Não fora ele um duble de ator, apresentador, cozinheiro, marceneiro, ferreiro, carpinteiro, costureiro, galã, dono de casa, marido e pai exemplar.

     A biografia do Ministro da Defesa Raul Jungmann, fornecida por seu partido o PPS -http://www.pps.org.br/ (antigo PCB), perpetra uma trajetória diversa. Secretário de Planejamento (PE), Secretário do Ministério do Orçamento e Gestão (Gov. Itamar, 1993-1994), Presidente do IBAMA, Ministro de Política Fundiária, Presidente do INCRA e Ministro do desenvolvimento Agrário (Gov. de FHC, 1995-2002) integrou o conselho de importantes estatais indicado por políticos. Destacando-se o cargo de Conselheiro da LIGHT/CEMIG, (“luxuosa” indicação de Aécio Neves). E em São Paulo, Conselheiro da Companhia de Engenharia de Tráfego e da PRODAM, pelas mãos do ex-alcaide paulistano Gilberto Kassab. No legislativo, foi Deputado Federal (atualmente é suplente), e eleito vereador no Recife (2012).

     A junção de termos gregos redundou na fusão latina, tautologia. Tautó quer dizer “o mesmo” e logos significa “assunto”, portanto, de acordo com o dicionário informal, tautologia é dizer sempre a mesma coisa em termos diferentes (redundância).  Pois bem, mesmo experimentado, o Ministro da defesa escorregou na retórica, proferindo declarações redundantes nos últimos dias de 2017.

     Em entrevista ao portal UOL, Jungmann disparou: “O sistema penitenciário não está nas mãos do Estado Brasileiro e sim nas mãos das grandes quadrilhas. É o home Office dos grandes criminosos, que comandam de suas celas ações criminosas no país e no exterior”. Outra: “O Brasil talvez seja o único país do em que as grandes quadrilhas foram criadas dentro do sistema penitenciário. O sistema é a maternidade, o berçário dessas grandes quadrilhas”. Mais uma constatação surpreendente: “Os dados indicam que há um acordo tácito entre funcionários do sistema prisional e o crime organizado”. Nossa! E, por último: “Os comandantes destas quadrilhas, apesar de estarem há décadas em presídios federais, permanecem no comando, pois o fluxo de informações ainda não foi interrompido. E isso se dá nas visitas íntimas, nas visitas de amigos e parentes e, infelizmente, nas visitas de advogados”.

     Bem, que existe acordo entre funcionários e o crime não é informação fresca. Até o filme de maior bilheteria de todos os tempos no Brasil, TROPA DE ELITE 2, explicita. Na cena em BANGU 1, primeiro presídio de segurança máxima do Brasil, o agente penitenciário “Curió”, entrega as armas ao bandido “Beirada”, que dá início à matança de grupos rivais. Sobre o “ovo da serpente” ter sido chocado dentro dos presídios, Jungmann que não se esqueça. A principal facção criminosa da América Latina foi concebida e gerada dentro dos presídios paulistas, sob as barbas do partido que comanda SP há mais de 20 anos (PSDB), e que tem como “correia de transmissão”, o partido do qual ele é integrante e fundador (PPS). Portanto, nem uma nova nas declarações. São como subir para cima, elo de ligação, fato real, surpresa inesperada, escolha opcional…ou outros pleonasmos. Apenas repete como novidade o que todo mundo já sabia.

     A noite de ano novo foi marcada por um ato heróico. Jungmann pediu emprestada a capa de “Homão da Porra” de Hilbert e voou para Natal, onde os PMS sem receber salários estavam aquartelados. Ali, foi instalado uma espécie de gabinete de crise contando com a guarda nacional. Passou a virada com quem quis trabalhar e fez questão de declarar que eles eram sua família. No dia 2, já tinha dados “animadores” da diminuição do número de mortos no Estado. Rodrigo que se cuide. É isso.

*Flávio de Souza Lima é professor da rede pública em São Paulo.

Categorias:Sem categoria

4 respostas »

  1. Parabéns Flávio.
    O povo precisa se vestir com a capa de ” Homao da Porra”.
    Nao basta um só homem. Que Jungmann sirva de exemplo para muitos.
    E que vc continue abrindo os olhos de todos.

    Curtir

Deixe uma resposta para Mauro de Mattos Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s