Internacional

Devemos criar uma democracia global, afirma o filósofo Edgar Morín

Por Paulo Pastor Monteiro – Opera Mundi

“É preciso acreditar no improvável. Apostei minha vida inteira nesse caminho”. É desta forma, até otimista, que o filósofo e sociólogo francês Edgar Morín justifica a sua esperança de que ainda é possível construir um mundo mais solidário e harmônico.

Ele esteve nesta terça-feira (09/08) na Sala São Paulo, região central da capital paulista, para participar de uma palestra organizada pelo Fronteiras do Pensamento, evento promovido pela Braskem e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Morín trouxe uma ampla análise a respeito da crise econômica, da globalização e apontou a construção de uma democracia global como saída para os atuais conflitos entre as nações.

O filósofo criticou as ciências econômicas que, apesar de terem evoluído, se revelaram incompetentes para evitar crises, além de quererem quantificar “tudo o que há na sociedade”. “Os cientistas econômicos são precisos quanto aos números e as grandezas matemáticas. Mas a economia não leva em conta o que há de mais importante: os sentimentos das pessoas, o medo e a insegurança que as crises geram nas famílias”.

A separação dos conhecimentos tem levado a sociedade e os governos a não enxergarem os problemas como um todo. A realidade não acontece de forma fragmentada, mas insistimos em tentar entendê-la dessa forma, como se um problema fosse só de ordem econômica ou política. “Estamos cegos”, alerta Morín.

Pátria global

“É graças à globalização que as pessoas passaram a ter a sensação de comunidade, de pertencerem ao mesmo grupo. Neste sentido, a globalização é o melhor dos mundos!”, avalia o professor. O aumento e a intensificação da relação entre as diferentes sociedades é apontada como o embrião de uma pátria, de uma democracia global.

“Pátria global” é o termo que Morín usa para definir o que seria a formação de uma sociedade global, a qual possibilite a existência de uma unidade entre os povos, mas que respeite as diferenças e particularidades de cada cultura.

Na visão do sociólogo, o crescimento da globalização é essencial para a construção de uma nova sociedade. “Os fenômenos globalizantes são importantes porque levam, por exemplo, conceitos de liberdade e de direitos humanos para sociedades mais tradicionais e fechadas”.

Por outro lado, ele expõe que a globalização também permite a proliferação das armas de destruição em massa, o aumento da degradação da biosfera e a falta e regulamentação financeira dos mercados. “Os fenômenos globais tem levado à proliferação e a intensificação da miséria, da exploração e degradação do homem e da natureza. Neste sentido, a humanidade tem caminhado em direção ao abismo”, diz.

De acordo com o professor, na medida em que aumenta a unificação entre os países, a cultura de cada um deles é transformada. Assim, ao sentirem ameaçadas culturalmente, as sociedades se fecham para tudo o que vier de fora. “Esse ideal de preservação cultural é o que leva ao retorno das raízes primitivas destes povos e, em alguns casos, isso dá espaço para que ressurjam sentimentos como o preconceito ou o racismo”, explica o filósofo.

O humanismo latino

Morín lamenta que a Europa não tem conseguido mais oferecer respostas para os problemas mundiais, mas avalia que o pensamento na América Latina tem apresentado novas alternativas. “É triste ver que o presidente do meu país (Nicolas Sarkozy) colocou a culpa dos problemas da França nos ciganos, um povo historicamente perseguido. Na Inglaterra, a recente onda de violência é uma resposta dos imigrantes ao comportamento truculento da polícia”, analisa.

Entre os exemplos positivos na América do Sul, ele cita o conceito do “bem viver”, no qual a diferença para a ideia do “bem estar social” é considerar a qualidade de vida e não o conforto como prioridade dentro das sociedades.

O paradoxo da liberdade

Para Morín, é necessária a construção de um pensamento complexo que consiga entender a ambivalência da humanidade. Esta complexidade seria a percepção de que um ideal como a liberdade pode tanto ter implicações positivas como negativas. “Ao mesmo tempo em que hoje as pessoas podem ser mais livres como indivíduos, este individualismo tem criado uma sociedade cada vez mais egocêntrica”, avalia o pensador. Precisamos encontrar maneiras de responder a isto.

Na concepção de Morín, as escolas devem ensinar as pessoas a pensarem a sociedade de forma complexa. “Temos aprendido que os fenômenos sociais acontecem de maneira isolada, que um problema econômico tem raízes na economia e os seus danos serão sentidos só nesse âmbito. Quando, na verdade, problemas dessa ordem são sentidos em todos os setores da sociedade. Precisamos mudar o rumo”.

Morín afirma que a crise atual nos oferece duas alternativas: ou apresentamos novas soluções ou o sistema vai regredir e se tornar ainda mais bárbaro. “Eu confio na criatividade da humanidade. O tempo tem comprovado que o ser humano é muito criativo. Nossas criações artísticas e culturais e a construção das sociedades comprovam isso. Não sei como será a pátria global, mas vocês vão saber criá-las”, analisa o filósofo.

“Se as soluções não estão visíveis, isso não quer dizer que elas não existam”, explica. Segundo ele, o cristianismo estava a milhares de quilômetros do centro do Império Romano e acabou se tornando a maior religião ocidental. O capitalismo, lembra ele, era em seu início, era um ‘parasita do feudalismo’ com as pequenas vendas de tecidos, perfumes e tempero, posteriormente, desencadeou o fim deste sistema.

“O cristianismo e o capitalismo são exemplos que a humanidade consegue mudar de rumo a partir de coisas pequenas. Precisamos dar início a um processo de metamorfose da humanidade mesmo que não saibamos qual será o resultado”, afirma Morín.

Comente sem medo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s