Crítica de mídia

A Globo se livrou da culinária em horário nobre

A Globo se livrou da culinária em horário nobre

Por Ana Helena Tavares

O ex-metalúrgico que saiu do Nordeste para ouvir do presidente dos EUA que ele “é o cara” e do presidente do Panamá que ele deveria ser o “presidente do mundo”, viveu na pele as agruras de uma imprensa desregulada. Hoje? Com uma ex-guerrilheira na presidência? Essa imprensa, que parecia ter dado uma trégua, volta a se lambuzar.

Não é preciso ser nenhum crânio para assistir ao veneno sendo destilado em pleno horário nobre. A “Vênus platinada”, apelido mais íntimo do que plim-plim, nos envergonha – jovens jornalistas idealistas – não por atacar o Palocci, mas por nunca ter atacado FHC. Não por ter pautas requentadas, mas por não achar que as rebeliões da juventude na Espanha e Grécia sejam pauta para o Jornal Nacional. Perderam, desde há muito tempo, o bonde da história.

Mas a Globo não se envergonha do desserviço que presta diariamente ao povo. Povo? O que é isso para eles senão eterna massa de manobra?

Tudo bem que já lá se vão os tempos do empresário midiático que se julgava no poder de jogar pôquer com a sociedade, mas a direita não há de se sentir ameaçada, porque o Jornal Nacional perde audiência, mas, enquanto tiver a quem atacar, não perderá a pose.

O maior câncer que pode haver para a imprensa é o jornalismo/empresa e o pior mesmo é saber que essa doença já é antiga e já virou metástase. Com uma oposição que só pensa em cheirar seu próprio umbigo (porque, claro, ele é cheiroso), mas nem por isso o lava, e uma grande imprensa pequena, mesquinha, fica difícil pensar num país melhor.

Enquanto não houver uma real democratização da imprensa brasileira, a menina dos olhos da família Civita, a ex-Veja, hoje conhecida nos bastidores da imprensa como “a sujíssima”, continuará impune. Mesmo mentindo, fraudando entrevistas, etc… Isso porque, lamentavelmente, neste país ainda tem gente que confunde liberdade para se expressar com liberdade para fraudar. E, claro, para faturar. A qualquer custo.

Mas justiça seja feita: a Veja não está mais sozinha em sua canoa virada. Esta semana, a revista Época, da Ed. Globo, fez uma capa sombria, em que o Photoshop serviu para parecer que Dilma estava num caixão, moldando nela uma face de dar medo a Hitchcock e abrindo espaço para que todos temam o seu vice. Se você tiver estômago para ler a reportagem interna da revista, já se preparará para o enterro, dada a quantidade de problemas de saúde que são atribuídos a Dilma. Sem falar no coquetel de remédios. Deve ter vendido bastante, dada a atração que o ser humano tem pelo trágico.

Já Serra, durante as eleições, ganhou da parceira Veja uma capa em que o Photoshop trabalhou ao contrário: embelezando Darth Vader.

Faz lembrar o filósofo romano Sêneca que definiu a raiva como “loucura temporária”. É grande a raiva das Organizações Globo contra alguém que na ditadura estava de braços dados com a democracia. Dilma não matou ninguém, como se tentou dizer durante as eleições, mas foi presa e brutalmente torturada.

Enquanto isso, “Dotô” Roberto estava caminhando sorridente ao lado do homem que gostava do cheiro dos cavalos e ao lado do “imperador da Bahia”. É o exemplo de companhias que ele deixou pros filhos.

Mas eles que dêem graças a Deus por Dilma ter ganhado. Com Serra na presidência, estou certa de que o Jornal Nacional seria entregue à Ana Maria Braga e viraria um programa de culinária – sem tempero.

Ana Helena Tavares

5 replies »

  1. “Uma mensagem negativa impacta cinco vezes mais o cérebro do que uma mensagem positiva”, diz Manuel Castells. Logo, não é à toa que se publicam coisas desse naipe.
    Continuando, ele diz que a “a democratização das comunicações é o princípio da democratização das instituições na sociedades”. Infelizmente aqui as os meios de comunicação são meios de manutenção do poder tirânico de meia dúzia de famílias.
    Vexe!

    Curtir

  2. Bom ouvir essas coisas! Achei que tava louco! É impresionante a incapacidade que demonstra a “imprensa democrática” de não ter vergonha a prestar esse papel ridículo.
    Subestimam a capacidade de raciocínio e coerência de um povo desse calibre: o brasileiro. Teve pseudo-cineasta-intelectual-cronista escancaradamente chamando a maioria e “democrática” parcela de eleitores que votaram no candidato eleito de ignorantes! Engrossam esse calibre: trabalhadores, velhos, jovens, pensadores, atletas, empresários, médicos, professores, musicos e escritores que ousam discordar dos donos da “democracia”. Quem tá perdendo? Nós, estamos lutando.

    Curtir

  3. é a corrida p o 3° mandato, eles fazem coisas “inimaginaveis”, sinto muitissimo mas o que eu sinto é NOJO, da revista e de seus “colabores” que se tornam indecentes a troco de um salario muitas vezes mediocre, mas o que vale é o status, que deus os perdoem por tamanha falta de respeito !

    Curtir

  4. Estou com a revista aqui. Aliás, por falta de opção, leio Época toda semana porque quero me manter (des)informada dos fatos. E confesso, quando a revista chegou em minhas mãos, me espantei e comentei até com meu pai ‘veja só, estão querendo matar a presidente’. Já era de se esperar vindo de onde vem.

    Curtir

Comente sem medo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s