Direitos Humanos

Política Internacional: Brasil, Israel, forças armadas

Por Laerte Braga (*)

Pimenta da Veiga é filho de João Pimenta da Veiga, um ex-deputado estadual por várias legislaturas em Minas Gerais. É produto, como se costuma dizer em Minas, da cama feita pelo pai. Vive hoje o ostracismo que cedo ou tarde acomete políticos vazios e inconseqüentes como ele. O que não significa que tenha sido mero figurante no processo político brasileiro nos anos FHC. Num dado momento chegou a dar a impressão que decolaria em vôo próprio, mas foi só impressão.

 

Em 1987, no processo de discussão e elaboração da Carta Constitucional do Brasil (promulgada em 1988), Pimenta da Veiga estava recolhendo assinaturas para propor emenda que tornasse obrigatória a divulgação dos documentos considerados secretos de todos os governos, em todas as instâncias, com a justificativa que os cidadãos tinham o direito de ter o conhecimento dos fatos de governo, mesmo aqueles que, em determinado momento, por várias razões, exigissem sigilo, ou o caráter de confidencial. O prazo que a emenda estabelecia para a divulgação era de vinte e cinco anos.

 

No documento que elaborou o deputado Pimenta da Veiga usou como exemplo a legislação dos Estados Unidos que classifica os documentos secretos de governo por um critério de maior ou menor risco para o país. Um exemplo clássico disso foi a reportagem de Marcos Corrêa no extinto JORNAL DO BRASIL, revelando a partir de documentos secretos liberados por força de lei nos EUA e que mostraram o controle que os norte-americanos exerciam sobre os militares brasileiros – falo dos militares golpistas – que derrubaram o governo de João Goulart.

 

Foi o trabalho de Marcos Corrêa (foi editor do JORNAL DO BRASIL, de VEJA e trabalhou em importantes publicações da mídia brasileira) que revelou a presença da IV FROTA dos EUA em águas territoriais brasileiras para intervir no Pais caso os militares locais – comandados pelo general norte-americano Vernon Walthers – não conseguissem cumprir a missão – derrubar Goulart.

 

Ou a resistência fosse de tal ordem que mergulhasse o País numa guerra civil.

 

O deputado Pimenta da Veiga, num dos corredores do Congresso, abordou o deputado Amaral Neto, de extrema-direita e um dos principais agentes do golpe de 1964, solicitando sua assinatura na proposta de emenda.

 

Amaral Neto leu o documento, devolveu-o a Pimenta da Veiga e disse que não assinaria, que aquilo era coisa de louco, “certos fatos o povo não pode e nem deve saber”.

Pimenta, sem graça com a resposta, disse a Amaral Neto o seguinte – “pode assinar sem susto, não vai passar, é só para fazer média”.

 

Quando se fala em presidente agente de governo estrangeiro, o que pode parecer exagero na critica, ou crítica descabeçada, é a mais pura verdade.

 

O que é o general que governa o Paquistão, onde os EUA mantêm importantes bases para a guerra do Afeganistão? Um general supostamente paquistanês, nasceu no país, recebe o soldo de sua patente e a gratificação dos norte-americanos para reprimir os que são contrários à política imperial de Washington, manter abertos os canais de serviços de inteligência ao “aliado” e conta com os olhos fechados dos “amigos” para meter a mão nas verbas de “construção e reconstrução do país”. É um cidadão paquistanês que trabalha para os EUA e torna seu país na prática uma colônia.

 

O que é Pepe Lobo, presidente eleito de Honduras depois de um golpe de estado, uma farsa montada em Washington e todo o aparelho repressivo no país prendendo, torturando e assassinando hondurenhos que desejam uma Assembléia Nacional Constituinte, eleições livres com participação de todos os partidos políticos?

 

Uma infinidade de governantes assim. Ou a ação na Líbia a pretexto de ajudar rebeldes e controlar o petróleo, como foi no Iraque?

 

Os ditadores brasileiros não fugiram à regra, nem mesmo o general Ernesto Geisel cuja história militar sempre mostrou um acendrado antiamericanismo que terminou nas intermináveis conversas que tinha com seu ministro Mário Henrique Simonsen, o homem de Washington em seu governo (Golbery também).

 

Por trás de todas essas pequenas, mas ilustrativas historinhas existe uma gama de interesses sem tamanho do ponto de vista político, econômico e militar que se fundem, se completam, no mundo conturbado, brutal e violento de hoje, onde a globalização chamada de “nova ordem econômica” não é outra coisa senão “globalitarização” (definição do geógrafo brasileiro Milton Santos), ou seja, o grande império terrorista EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A imposto pelas armas, pela barbárie.

 

Não é assunto para chapas brancas entenderem, transcende a isso, exige pelo menos massa cefálica.

 

Mas o que o Brasil tem a ver com isso?

 

Nossas forças armadas em sua esmagadora maioria a partir do ministro da Defesa Nelson Jobim são inteiramente subordinadas a esses interesses e não são necessariamente forças armadas brasileiras. Qualquer outra coisa, mas forças armadas brasileiras certamente não são.

 

Vamos ver isso tim por tim e muito bem documentado nessa série de artigos.

 

Há uma coisa simples que se costuma dizer. A violência choca a todos, mas você a esquece um ou dois minutos depois, exceto se ela acontece contra você, ou alguém próximo.

 

Sem que você perceba ou sinta, a violência atinge diretamente cada brasileiro no processo político, econômico e militar que vivemos.

 

As relações militares entre o Brasil e Israel, por exemplo.

 

Quantos brasileiros têm conhecimento do aumento constante, consentido e deliberado da presença de Israel em situações chaves e de extrema importância para a real segurança nacional (soberania e integridade do território nacional) junto a “nossas” forças armadas?

 

Que se estende para além do campo militar, pois é parte de um projeto de dominação, de controle e que chega ao Judiciário, outro exemplo.

 

O presidente do STJ – SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA – o que deu um chilique num caixa eletrônico em Brasília às vésperas das festas de fim de ano, e demitiu um estagiário que apenas aguardava a sua vez de chegar ao referido caixa e realizar a operação que pretendia.

 

“Sou Ari Pargendler, presidente do STJ. Você está demitido.” Isso, num acesso de fúria, semelhante aos que soldados terroristas de Israel têm em relação a palestinos, quando prendem, estupram, torturam, matam e ocupam terras palestinas.

 

Pargendler é judeu sionista (diferente de ser judeu) e há dias foi homenageado pela colônia judia em Porto Alegre. Uma ponta festiva do papel que cumpre em sua área. Um reconhecimento dos “serviços prestados à causa”.

 

O acordo entre o Judiciário brasileiro e o Banco Mundial (o que uma coisa tem a ver com a outra?) sacramenta o compromisso de submissão a interesses de empresas estrangeiras e suas propriedades no Brasil e foi assinado por essa figura.

 

É a invasão lenta, mas constante com a cumplicidade dos comandantes militares brasileiros e que faz de nosso País, mesmo que o governo não queira (considerando que as forças armadas continuam à margem da lei, impunes pelos crimes cometidos durante e na vigência do golpe de 1964), como se fossem um estamento, ou seja, uma parte separada do Brasil a decidir sobre o Brasil em nome do “patriotismo”.

 

É para acordar e ler todos os dias – “o patriotismo é o último refúgio dos canalhas” – Samuel Johnson, pensador e parlamentar inglês. E apenas para eliminar “suspeitas”, anticomunista.

 

Em 2003 as forças armadas brasileiras abriram um escritório em Tel Aviv – capital de Israel – As finalidades ou objetivos dessa decisão nunca foram explicadas, mas pode-se deduzir que para cooperação econômica, treinamento e intercâmbio de informações.

 

Um acordo de cooperação na área de segurança com Israel foi assinado recentemente, fato revelado pelo jornal israelense (nossa mídia é comprada não toca nisso, nossos principais jornalistas, o das grandes redes são informantes do Departamento de Estado) MAARIV. O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak e o chefe de Segurança do Ministério da Defesa Amir Kain assinaram o acordo de cooperação de segurança entre os dois países no final de novembro de 2010. Pelo lado brasileiro o acordo foi assinado pelo ministro da Agência Brasileira de Inteligência.

 

No artigo sobre o assunto o jornal destaca – “um mercado avaliado em bilhões de dólares se abriu para as indústrias de defesa, após um primeiro acordo desse tipo ser assinado para cooperação entre Brasil e Israel.

 

O mesmo artigo no mesmo jornal israelense acrescenta que: “Um mercado avaliado em bilhões de dólares se abriu para as indústrias de defesa, após um primeiro acordo desse tipo ser assinado para a cooperação entre Brasil e Israel. Já existem várias ofertas gigantes entre Israel- Aerospace Industries (IAI), Elbit e Rafael com o Brasil. […] Sem esse acordo, que é semelhante aos acordos que Israel assinou com vários outros países, não seria possível realizar os negócios, que estão em um alto nível de classificação de segurança.”

Uma série de aquisições de empresas brasileiras por empresas israelenses e contratos com Israel foram e continuam a ser a conseqüência desse acordo nesse início de 2011.

 

Um acordo estratégico de extrema importância para a integridade territorial do Brasil, sua soberania e a capacidade das forças armadas “brasileiras” de cumprir o seu papel, para além de golpes de estado e jogos de proteger torturadores e assassinos foi assinado sem qualquer discussão, ou conhecimento dos brasileiros.

 

http://coteret.com/2010/12/02/maariv-%E2%80%9Cexclusive%E2%80%9D-israel-and-brazil-sign-major-security-cooperation-agreement/

 

No final de seu governo o ex-presidente Lula reconheceu o estado palestino a partir das fronteiras definidas em 1967, a rigor antes até.

 

Temos dois brasis? Um o definido pelo presidente da República e outro pelos comandantes militares?

 

O Congresso? A exceção de uns cinco por cento de deputados e senadores, o resto está preocupado com lista fechada e outras discussões que possam garantir a eternização de oligarquias como a de Sarney, figuras patéticas como Itamar Franco (quase prefeito de Aracaju) e trazer de voltas outras figuras sinistras montadas em consultoria e enriquecendo com as portas abertas para a corrupção. É lógico que esse tipo de acordo favorece a essa prática.

Parte II

O Brasil é o quinto maior importador de armas israelenses, um negócio que já beira um bilhão de dólares, tudo por conta do acordo militar assinado entre os dois países. Desde a assinatura desse acordo, em novembro de 2010, o Brasil recebe regularmente delegações de Israel para estreitar os laços políticos, empresariais e militares e vice versa. Envia a Israel militares supostamente brasileiros com os mesmos objetivos.

 

Há dias um cidadão foi preso no Rio de Janeiro acusado de tentar dar uma carteirada num guarda de trânsito que tentava multá-lo por uma infração cometida. O dito cidadão alegou, mas não provou ser coronel do exército. Não faz muita diferença em relação à boa parte dos nossos coronéis em se tratando de seriedade. De lealdade ao Brasil nem é bom falar, não existe.

 

A sorte do cidadão infrator é que ele é apenas um simulacro de coronel. Assim que nem José Sarney, ou o barão de Aracaju, Itamar Franco. O azar do Brasil é que simulacros de patriotas servem a interesses estrangeiros sem o menor pudor e mantêm como um grande manto sobre o País, as trevas e sombras da ditadura militar, numa permanente ameaça de abrir as jaulas e deixar jorrar os choques elétricos, os estupros, os paus de arara, os assassinatos de inimigos da barbárie, afinal, os caminhões da FOLHA DE SÃO PAULO vão estar sempre à disposição para desovar vítimas de “atropelamento” e a GLOBO pronta para dizer que tudo está bem e vivemos às mil maravilhas, basta pegar o celular e ligar para o número tal, o custo e mais os impostos e dizer quem deve ser eliminado.   .

 

São impunes e peitam claramente a ordem democrática, como historicamente sempre o fizeram – a despeito de momentos de coragem e determinação de uns poucos –.

 

A exposição brasileira de Defesa LAAD hospeda as mais importantes empresas israelenses de armas (a próxima será neste mês de abril no Rio de Janeiro) e autoridades militares brasileiras declararam publicamente ter ajudado empresas israelenses de armas a entrar em contato com as forças armadas de outros países latino-americanos.

 

Viramos intermediários dos negócios sujos da indústria de armas e, pior, do estado terrorista de Israel.

 

O relatório divulgado por STOP THE WALL CAMPAING e traduzido por Entra K. Ajax cita alguns exemplos dos “interesses” israelenses na indústria bélica brasileira e nos “negócios” com os nossos patriotas, “defensores” da soberania nacional e da integridade do território brasileiro.

 

O “patriotismo” da nossa elite militar por meio do ELBIT SYSTEMS fornece armas que o exército de Israel usa para o assassinato de civis e execuções extrajudiciais, além de equipamentos para o muro da Apartheid e para os assentamentos sionistas em terras palestinas (roubo de terra em linguagem mais precisa políticas expansionistas).

 

Três empresas brasileiras de armas foram compradas por Israel, a AEL, a ARES AEROESPECIAL E DEFESA S/A e PERISCÓPIO EQUIPAMENTOS OPTRÔNICOS S/A. São inúmeros contratos com as forças armadas brasileiras, envolvendo o projeto GUARANI e espera – Israel – conquistar contratos para os Jogos Olímpicos e Copa do Mundo – segurança, o que no caso de Israel significa barbárie –.

 

Israel Aircraft Industries (IAI) formou uma joint venture (espécie de parceria, associação) denominada EAE com o grupo Synergy. Uma subsidiária da IAI, a Bedek, usa os centros de manutenção e de produção da TAP M & BRAZIL (notem que já está com “Z”), nos aeroportos do Rio de Janeiro e Porto Alegre.

É só copiar e colar para achar cada detalhe

http://armstrade.sipri.org/armstrade/html/export_values.php

http://defense-update.com/wp/20110321_brazil_defense_cooperation.html

As delegações israelenses que chegam ao Brasil buscam com militares “acessíveis”, digamos assim, a abrir a porta dos fundos e guardar as malas brancas ou pretas não importa, com o objetivo de ganhar contratos – outros – com a EMBRAER (privatizada ao tempo de FHC e já com esses objetivos, pois o ex-presidente serve a esses interesses desde os tempos que fingia ser exilado).

 

A Israel Military Industries – IMI – como muitas empresas israelenses de armas estão envolvidas em casos de corrupção e suborno de funcionários públicos. No Brasil subornam e compram militares venais (todos democráticos) e funcionários civis.

 

A empresa deu licença a Taurus para produzir seus rifles Tavor no Brasil e o exército brasileiro (brasileiro?) compra os rifles Tavor. Muitas outras companhias israelenses de armas e segurança têm obtido contratos no Brasil com o Ministério da Defesa e apontam seus canhões agora para os bilhões de dólares na preparação da segurança da Copa do Mundo de 2014 e nos Jogos Olímpicos de 2016.

 

Um parênteses. A expressão EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A não é uma forma de crítica ao terrorismo imposto ao mundo pelos dois grupos (não são nações, seus povos vivem sob o tacão nazi/fascista aprendido com Hitler, aprimorado e posto em prática nos dias atuais).

 

É uma realidade.

 

O relatório que aponta toda essa “aventura patriótica” de nossos militares, de funcionários do governo, mostra que o Brasil como signatário do instrumento “mais relevante do Direito Internacional” tem a obrigação de não reconhecer e não assistir às violações desse direito. As relações promíscuas entre militares brasileiros, setores civis do governo – melhor seria dizer governos – implicam em violar essas obrigações “de Estados terceiros” em relação ao Direito Internacional.

 

Somos um entreposto da barbárie terrorista de norte-americanos e Israel. Um armazém da boçalidade.

 

O Brasil facilita benefícios econômicos para empresas que violam diretamente a IV Convenção de Genebra e contribui dessa maneira para uma situação ilegal. Hospeda representantes que violam sistematicamente a IV Convenção, transformando-se em cúmplice direto e indireto dessa ordem terrorista.

 

Uma organização terrorista como Israel se sustenta na exportação da boçalidade e de armas. Perto de 70% das armas produzidas em Israel são exportadas. O resto é usado para matar palestinos e roubar suas terras e suas riquezas e tudo isso em nome de “deus”, ou como disse um general israelense, “está escrito na Bíblia o nosso direito sagrado”.

 

É com esse tipo de “negócio” que o estado terrorista de Israel consegue recursos para ocupar e manter ocupada a faixa de Gaza, para liderar guerras com a contra o Líbano em 2006, ambas, curiosamente, fortemente condenadas pelo Brasil.

 

São os dois brasis. Um o do governo eleito pelo povo e outro, o poderoso poder das sombras e trevas de forças armadas sem o menor compromisso com o Brasil e com os brasileiros.

 

Ao final do governo Lula o presidente reconheceu o Estado Palestino – como a ONU, inclusive os EUA em 1948 – nas fronteiras de 1967. As forças terroristas de Israel mantêm a ocupação de territórios palestinos, ampliam essa ocupação e lucram com essa ocupação, pois roubam riquezas palestinas sem o menor pudor. Vai ver está na Bíblia.

 

A forma como os palestinos são tratados, como se fossem animais (assim como os judeus no Holocausto, aprenderam a como fazer) se presta a experiências (assim como fazia o doutor Mengele em judeus na área médica) que permite o desenvolvimento de armas específicas e capazes de garantir o terror e o saque aos palestinos.

 

O Brasil condena de um lado e nos porões das forças armadas (ou quadrilha?) é parte desse odioso processo.

 

O mais revoltante de tudo isso é que países árabes alinhados com os Estados Unidos, acionistas majoritários de EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A são compradores dessas armas via o entreposto/armazém Brasil, montado por militares inescrupulosos e que nada têm a ver com o Brasil, mas tão somente com os negócios, escorados na falácia da democracia, da liberdade, que todos conhecemos, ou quase todos (escondem essa parte da História) nas masmorras da ditadura militar de 1964, montada, dirigida e comandada pelos EUA.

 

É, como afirma o relatório “um péssimo precedente” em termos de “accountability” – dever, obrigação – levando em conta exatamente o apoio de Israel a regimes opressivos.

 

Nunca é demais lembrar que o governo terrorista de Israel ofereceu duas bombas atômicas ao governo branco da África do Sul, para eliminar a resistência dos negros (a maioria da população), durante o Apartheid. São especialistas nisso.

 

“No fomento à instabilidade nas décadas de 60, 70 e 80, os laços militares com Israel – hoje e sempre – implementam elementos que podem justificar ou formar atividades opressivas anti-governamentais mais extremas em determinados países (foi o caso de Honduras, quando a policia golpista e o exército golpista usaram tecnologia israelense para cercar e intimidar os que estavam na embaixada do Brasil, inclusive o presidente constitucional do país, Manuel Zelaya.

 

Nada disso sai na GLOBO, em outras redes, na mídia privada. Empresas e jornalistas recebem soldo e grossas propinas, pois são parte desse processo no item alienar a população. Esconder a verdade, nem que seja preciso montar um bordel televisivo como o Big Brother Brasil que, como o próprio nome indica, não existe só no Brasil. O processo de transformação do ser humano em objeto é universal.

 

Militares continuam a representar uma grande ameaça à democracia brasileira e pior, à soberania e a integridade do território nacionais, pois seus compromissos – na esmagadora maioria – não são com o Brasil, como não foram em 1964, mas com os que pagam e pagam muito bem a tal vocação pelo “patriotismo”.

 

Esse tipo de situação coloca em duvida os compromissos do Brasil com os direitos humanos, nos torna um mero entreposto/armazém de interesses de terroristas sem escrúpulos e nos colocam à mercê dessa horda de corruptos.

 

Estamos como um povo indefeso, já que nossos militares em sua grande maioria servem a outros países, a outras nações e são muito bem remunerados por isso.

 

A propósito das “forças armadas brasileiras” é preciso dizer que o grupo dominante, generais, desde que conseguiu equiparar seus vencimentos aos mais altos permitidos pela constituição, o resto da tropa que se dane. É um comprimido de patriotismo/alienação pela manhã, outro à tarde e um terceiro à noite.

 

Em casos graves, recomenda-se dormir envolto na bandeira nacional, doses de xarope verde e amarelo  e se não tiver jeito, cai fora.

 

Imagine se tivéssemos um Congresso? Nos EUA, pátria do terrorismo, generais se explicam ao Congresso, mesmo que seja farsa, mas se explicam. Aqui? Se bobearmos, fecham tudo.

Parte III

A despeito da cumplicidade da mídia brasileira com a o terrorismo de estado internacional (os documentos dos WIKILEAKS já mostraram ligações diretas dos jornalistas DIOGO MAINARDI e WILLIAM WAACK com o governo dos EUA através do Departamento de Estado via embaixada no Brasil), não é possível esconder tudo, toda a realidade do nazi/sionismo que caracteriza a ação política do estado de Israel, principal parceiro dos EUA em EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A.

 

No tratamento dispensado aos palestinos não há a menor diferença dos crimes cometidos pelos nazistas contra judeus, ciganos, negros, homossexuais, minorias enfim.

 

Na política em seu todo no Oriente Médio não é outra a prática do conglomerado terrorista em relação a países árabes e, sobretudo o povo muçulmano.

 

Um dos últimos documentos do WIKILEAKS revelado no Brasil trata das orientações norte-americanas e por extensão de Israel, de colocar em prática ações que ridicularizem religiões – muçulmanos o alvo principal – para que possam ser atingidos os objetivos colonialistas através do terrorismo e da barbárie próprias e peculiares a esses “países” – organizações terroristas –.

 

A mídia exerce papel importante nisso, muitos dos grupos empresariais do setor são controlados direta ou indiretamente por judeus/sionistas, ou então pagos, pois são venais, compráveis, por esses interesses. Quando William Bonner (2006) refere-se especificamente ao telespectador do JORNAL NACIONAL como sendo um idiota, valendo-se de Homer Simpson, personagem idiota de uma série da tevê norte-americana, sabe o que está falando. São anos e anos apostando na desinformação, na mentira, na cumplicidade com a ditadura, na distorção, nos efeitos especiais da chamada sociedade do espetáculo.

 

O Brasil não entra de gaiato, de inocente nessa história de boçalidade.

 

Temos dois brasis é preciso que isso fique claro. Ao contrário do Chile e da Argentina onde os generais responsáveis pelo estado de terror das ditaduras no século passado estão na cadeia, no Brasil, os militares trataram de garantir-se para evitar punições por toda a sorte de barbáries cometidas no período entre 1964/1984, ou seja, o tempo de duração do golpe de estado.

 

E até hoje vivemos sob a tutela de uma lei de anistia que sinaliza numa direção, mas garante, na verdade, a impunidade de criminosos asquerosos e repugnantes como Brilhante Ulstra, Torres de Mello e outros, escorados no tal “patriotismo”, no fundo a covardia, já que fácil prender, torturar, estuprar e matar opositores cercados de batalhões de zumbis sem a menor noção do que está sendo feito, ou de assassinos profissionais – SÉRGIO FLEURY – tudo para garantir os interesses dos verdadeiros senhores e comandantes do golpe, os EUA e o que significam.

 

É nesse terreno pantanoso que autoridades brasileiras – num Estado de fantasia escorado em alianças políticas complicadas, envolvendo grupos corruptos e à direita – convidaram líderes latino-americanos para participar de apresentações de armas israelenses, transformando-se em instrumento de propaganda, garoto propaganda, relações públicas da indústria de destruição de Israel em nossa região.

 

Em 2009 a demonstração da IAI’S Heron UAV não só incluiu vários ministros do governo Lula e funcionários das forças armadas – militares mesmo, a soldo de Israel – nos cantos de loas às habilidades do Heeron. O relatório do IAI registra que a demonstração também contou com a presença de “altos representantes militares e civis de vários países latino americanos, convidados pela Polícia Federal brasileira.

 

E além disso “o quadro de cooperação e integração sul e latino americano com o Conselho de Defesa sul americano tem o objetivo de promover o intercâmbio e a cooperação no domínio da indústria de defesa (defesa deles israelenses, entrega nossa, brasileiros e latino-americanos).

 

As decisões políticas sobre joint ventures (associação) sendo o Brasil a maior potência da região, tem um efeito regional direto e essa estreita ligação entre a indústria terrorista e armamentista de Israel e o nosso País, garante uma porta imensa para o terrorismo da indústria de armas de Israel a outros países, muitos dos quais, não interessados.

 

O Brasil foi, em 2009, o garoto propaganda do nazi/sionismo. O governo falava para um lado e os militares com a cumplicidade de ministros de Estado vendiam o Brasil para outro lado.

 

http://www.iai.co.il/12021-38947-EN/CompanyInfo-PresentPastFuture.aspx

 

http://www.cdsunasur.org/index.php?option=com_content&view=article&id=78&Itemid=188&lang=es

 

É copiar e abrir para verificar a extensão da cumplicidade dessa gente com o terrorismo de estado, o nazi/sionismo, a prática de tiro ao alvo a palestinos e muçulmanos de um modo geral.

 

À noite é ficar atento ao JORNAL NACIONAL que William Bonner vai dizer que num posto de vigilância uma mulher palestina atacou soldados de Israel que não tiveram ”alternativa” senão executá-la. Um filme sobre o crime mostra claramente um soldado de Israel apertando os seios da mulher, enquanto outros riam. São bestas feras. O fato é outro. A mulher palestina foi bolinada e serviu de pasto para os animais sionistas antes de ser executada. Em seguida tiram fotos risonhos sobre o corpo da vítima para mostrar o triunfo da insanidade oficial.

 

É direito previsto na Bíblia segundo um general de Israel. “Está escrito”.

 

A ELBIT SYSTEMS LTD está no Brasil há 15 anos e a porta de entrada foram as privatizações de FHC, agente de governos estrangeiros em nosso País. Segundo os terroristas que dirigem a empresa israelense aqui, em cumplicidade e remunerando “patriotas” brasileiros, “nós identificamos o potencial do país no início e fomos os primeiros – das empresas israelenses – a se tornar parte de sua grande e avançada indústria aeroespacial”. Ou seja, tomaram conta e castraram as perspectivas brasileiras de tecnologias próprias garantia de sua segurança e integridade. Colocaram o tacão nazi/sionista na bandeira que tem metade suástica, metade estrela de David, guardaram a do Brasil no almoxarifado.

 

O relatório da STOP THE WALL CAMPAIGN mostra que o total das operações da companhia no mercado brasileiro foi da ordem de 750 milhões de dólares ao longo dos últimos quinze anos e atingiu um pico de 70 milhões de dólares em 2008. A ELBIT SYSTEMS está antecipando um crescimento anual de 30% para os próximos cinco anos e o ano de 2010 foi definido como aquele a ser – e foi – “excepcionalmente bom no Brasil”.

 

A ELBIT está envolvida em ataques a civis e assassinatos extrajudiciais, fornece uma variedade de UAVs para as forças de ocupação israelense. O Centro Palestino para os Direitos Humanos documentou que a IOF utilizou essas UAVs em ataques que mataram dezenas de civis durante a guerra de Gaza e os alvos eram civis deliberadamente, em franca violação da lei internacional e graves violações da IV Convenção de Genebra (à época da 2ª Grande Guerra grupos judeus reclamavam que Hitler não respeitava as leis internacionais, hoje ignoram isso).

 

Num dos ataques doze muçulmanos foram mortos e trinta feridos, dos quais, três vieram a morrer em seguida. Organizações internacionais como a HUMAN RIGHTS WATCH também documentaram o papel das UAVs em seis casos de ataques a alvos civis.

 

Quem tiver dúvidas é só copiar, colar e abrir.

 

http://www.defensenews.com/osd_story.php?sh=VSDL&i=4036547

 

http://www.haaretz.com/print-edition/business/elbit-systems-hiring-locals-to-win-large-brazilian-tenders-

1.4432

 

A ELBIT e suas subsidiárias fornecem e instalam cercas eletrônicas de detecção e câmeras LORROS de vigilância, para o Muro na área de Jerusalém, bem como ao redor do assentamento em terras roubadas a palestinos – assentamento ARIEL – como desenvolveu veículos não tripulados – UGVs – que são usados para ajudar rotas de patrulhamento ao longo do que chamam “zona tampão”, proibida a palestinos, além do sistema TORC2H que se destina a reforçar as atividades de patrulha na fronteira, coletando dados e divulgando para as tropas. Esse sistema foi instalado no comando central da fronteira, facilitando a fiscalização de áreas remotas.

 

A construção do muro e os assentamentos são grave violação da IV Convenção de Genebra e essa visão tem respaldo em opinião consultiva da Corte Internacional de Justiça sobre o muro, em nove de julho de 2004.

 

Toda essa podridão assassina, terrorista, tem a cumplicidade do Brasil sem que o povo tenha a menor noção. E há muito mais.

 

Um aspecto importante a ser destacado neste terceiro artigo desta série é que para além da cumplicidade brasileira com o terrorismo internacional de Estado, o preconceito contra muçulmanos, empresas do conglomerado EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A vão transformando o País, com outra cumplicidade, a das elites militares brasileiras – venais – e de funcionários e ministros brasileiros venais, em uma base para esse terrorismo internacional de Estado revestido de democracia cristã e ocidental, de liberdade.

 

É fácil entender isso. A organização terrorista OTAN – ORGANIZAÇÃO DO TRATADO ATLÂNTICO NORTE – arrasa a Líbia para garantir o petróleo a empresas do conglomerado (A OTAN está baseada na Europa, a maior colônia do conglomerado em todo o mundo), a pretexto de livrar o país de um ditador e ignora situação semelhante de massacre de revoltosos pela democracia sem adjetivos no Iêmen e no Bahraein, onde governos árabes totalitários – mas aliados do conglomerado EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A –. E o fazem com armas produzidas por empresas israelenses no Brasil. Massacram civis inocentes.

 

É uma política deliberada de extermínio e de uma boçalidade que deixa o Holocausto no chinelo.

 

O Brasil não tem independência mais no que diz respeito à sua segurança, sua soberania e integridade do seu território (Amazônia por exemplo).

 

Somos sim, a Colômbia preferida dos terroristas norte-americanos e nazi/sionistas.

 

E estendemos tapete vermelho para um criminoso como Barack Obama.

 

Em tudo isso há um outro ponto de extrema importância. Com o poder bélico que constroem garantem aos militares brasileiros que se necessário for, em caso de qualquer revolta, de qualquer tentativa de mudar a situação e buscar um novo grito de independência estão “patrioticamente” preparados para garantir a “democracia do terror”.

 

Fornecem as armas para os assassinatos, a FOLHA DE SÃO PAULO, como fez na ditadura, fornece os caminhões para desova os cadáveres.

Parte IV

Em tempos passados – não sei hoje – era comum entre estudantes o “ajeitar aquela menina para você”, ou “aquele menino”. Era um jogo simples. O menino ou menina tímidos não chegavam à menina ou menino desejados. Um terceiro funcionava como pombo correio e não raro esse pombo correio acabava ficando ou com a menina, ou com o menino.

 

Com um país é diferente.

 

A política externa do chanceler Celso Amorim, a presença de Samuel Pinheiro Guimarães no governo (primeiro no Itamaraty e em seguida na Secretaria Geral de Assuntos Estratégicos), aliada aos avais de Lula às suas atitudes desses ministros gerou um descontentamento sem tamanho nos EUA. De saída, nos primeiro momentos do governo Lula, em meio às muitas bombas de efeito retardado deixadas por Fernando Henrique Cardoso, o presidente, literalmente, segurou o governo do venezuelano Hugo Chávez, eleito e reeleito pelo voto – foi confirmado também num referendo popular.

 

Bush ainda era o presidente dos EUA e sua secretária de Estado Condoleezza Rice andou por aqui tentando algum espaço para as políticas imperiais e totalitárias do Calígula de plantão na Casa Branca (sede do conglomerado EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A).

 

Tirando o rapapé de ser recebida pelo ministro Amorim, pelo presidente a senhora em questão programou uma palestra em São Paulo (onde mais?) e à falta de público a segurança norte-americana pediu aos repórteres que cobriam o evento que se assentassem nos lugares vazios impedindo o fracasso total.

 

O Brasil foi “ajeitado” para Israel num momento que tanto nos EUA, como aqui – elites militares, grandes empresários, bancos e latifúndios – se percebeu que o País despontava como protagonista no processo político e econômico em todo o mundo e de uma forma tal que não agradava aos senhores da chamada nova ordem econômica.

 

A Marinha Brasileira dispõe de tecnologia nacional para a fabricação de submarinos movidos a energia nuclear desde os tempos do governo de FHC. As verbas para que esse objetivo fosse alcançado – quatro submarinos nucleares são suficientes para garantir a costa brasileira – sumiram, não foram liberadas.

 

A Força Aérea Brasileira desde o governo de FHC vem tendo protelado o processo de compra de caças indispensáveis à segurança nacional no sentido real da palavra (não aquele de câmaras de tortura), mas de garantia da integridade do nosso território e da soberania brasileira, por pressões de norte-americanos, sócios da EMBRAER – EMPRESA BRASILEIRA DE AERONÁUTICA – que, já àquele tempo, despontava como das mais promissoras em todo o mundo no setor de construção aeronáutica.

 

De cara descartaram, nas pressões, o melhor caça na opinião dos entendidos do assunto, o russo SUKHOI 22, num acordo que implicava em transferência de tecnologia. Há dias a presidente Dilma Roussef adiou a solução do problema (os norte-americanos não admitem que sejam comprados aviões que não os da BOEING, assim controlam a FAB).

 

Nesse processo todo, figuras execráveis como Nelson Jobim, comandantes militares, banqueiros (o sistema bancário brasileiro é todo ele controlado por bancos estrangeiros, exceto os estatais – CEF e Banco do Brasil e o BRADESCO, mesmo assim com participação de grupos estrangeiros no caso desse último) e empresas de armas do Brasil, empresas de armas do exterior (à época que a IMBEL e a ENGESA funcionavam, numa história que os senhores da ditadura ocultam, um navio brasileiro com armas brasileiras, foi abordado por uma frota pirata norte-americana e as armas confiscadas, tal a qualidade em relação às norte-americanas).

 

O curso de todo esse processo implicou numa coisa simples. Se o Brasil não se alinha aos EUA – governo Lula –, vamos ajeitar, as figuras acima citadas, comandantes militares que obedecem ao comando de Washington, para que Israel fique com o País.

 

A despeito da política externa de Lula, o Brasil hoje sofre um processo constante e acelerado de intervenção do estado terrorista de Israel tanto na indústria bélica, como em todos os setores, inclusive no Judiciário, depois do acordo assinado pelo presidente sionista do STJ com o Banco Mundial.

 

A AEL, ARES AEROESPACIA E DEFESA S/A, PERISCÓPIO, OPTRÔNICOS EQUIPAMENTOS S/A, ELBIT (que adquiriu a AEROELETRÔNICA indústria de componentes aviônicos em negócio de dois bilhões e trezentos milhões de dólares), tudo no tal de “ajeitar” o Brasil para Israel e permitir uma política que implicasse, como implica, no controle da maioria das ações da Força Aérea Brasileira – NORTHROP F-5. Isso num outro “ajeite”, digamos assim, uma prática destinada a ganhar concessões e contratos do governo federal.

 

A AEL funciona em Porto Alegre e emprega 130 trabalhadores. Desenvolve e fabrica sistemas aviônicos vendidos no Brasil e na América Latina e fornece – o pulo do gato – a manutenção para estes sistemas (vale dizer que na eventualidade de um impasse entre o Brasil e Israel eles param a FAB. A dependência é quase que absoluta.

 

Em 2009 a ELIBIT adquiriu outras duas empresas brasileiras produtoras de armas, a ARES e a PERISCÓPIO.

 

É copiar, colar e ler.

http://www.flightglobal.com/articles/2001/08/07/134345/elbit-becomes-majority-shareholder-in-ael.html

http://www.haaretz.com/print-edition/business/elbit-systems-hiring-locals-to-win-large-brazilian-tenders-

1.4432

http://www.secinfo.com/d14D5a.s1kB3.htm

As duas empresas fornecem sistemas eletrônicos de defesa ao Exército brasileiro, como a outros países latino-americanos e operam no Rio de Janeiro, onde empregam cerca de setenta trabalhadores. Num impasse em que esses sistemas sejam necessários o Exército brasileiro só anda se Israel consentir.

 

Têm contratos com a FAB para o PROGRAMA BRASILEIRO DE MODERNIZAÇÃO DE AERONAVES F-5, valor de 230 milhões de dólares e em 2009 houve um adicional para a produção de “sistemas mais avançados”. O Brasil tem 46 aeronaves F-5. Só saem do chão se os interesses de Israel não estiverem contrariados, caso contrário é ferro velho.

 

Com a EMBRAER privatizada por FHC o Brasil e a empresa (os EUA têm o poder de vetar vendas como fizeram em relação ao desejo da Venezuela de comprar tucanos, a tecnologia é deles e não nossa) a ELBIT trabalha sistemas de produção e apoio logístico ao programa Aeronaves Super Tucano AL-X (começaram a ser desenvolvidas no País com a empresa estatal, foram ajeitadas para Israel no jogo da traição e prostituição de boa parte dos militares e das elites políticas e econômicas do Brasil. Por exemplo, um dos que recebe soldo é o deputado Eduardo Azeredo).

 

Essas empresas trabalham fornecer sistemas EW de guerra eletrônica para o programa de atualização do jato AMX para a FAB num contrato de 187 milhões de dólares. Todo esse espaço vem sendo ocupado à medida que o Brasil é “ajeitado” para Israel.

 

Uma subsidiária da ELBIT, a ELISRA executa contratos obtidos pela empresa principal e fornecerá o computador central da missão de batalha AMX, os sistemas de exibição e gerenciamento de munições e sistemas adicionais, tudo num emaranhado de empresas empreiteiras do setor e sub-empreteiras, todas de Israel

 

É copiar, colar e abrir.

 

http://www.globes.co.il/serveen/globes/docview.asp?did=1000612347

http://google.brand.edgaronline.

com/EFX_dll/EDGARpro.dll?FetchFilingHTML1?SessionID=P15OW0RaIQA0p9d&ID=5246268

http://google.brand.edgaronline.

com/EFX_dll/EDGARpro.dll?FetchFilingHTML1?SessionID=P15OW0RaIQA0p9d&ID=5246268

http://google.brand.edgaronline.

com/EFX_dll/EDGARpro.dll?FetchFilingHTML1?SessionID=P15OW0RaIQA0p9d&ID=5246268

http://www.secinfo.com/d14D5a.s1kB3.htm

Em 2009, após assumir o comando da FAB a ELBIT consegue o seu primeiro contrato com o Exército brasileiro. Torres não tripuladas para serem instaladas em veículos blindados. A subsidiária da AEL ganhou um contrato de 260 milhões de dólares para torres de veículos armados não tripulados para o Projeto Guarani do Brasil (quer dizer de Israel). Em adicionais no curso do contrato as novas torres suportam canhões de montagem automática de 30 milímetros, mas só disparam se Israel deixar.

 

Essas torres serão integradas aos veículos VBTP-MR GUARANI blindados 6X6, desenvolvidos pela IVECO. Isso, de acordo com a DEFESA UPDATE, uma publicação israelense. Implica em torre blindada que inclui cabo coaxial para montar metralhadora de 7,62 milímetros num sistema de controle fogo avançado com acompanhamento automático do alvo. Computação balística, gestão de sensores e displays. A entrega das torres vai ser determinada dentro de um calendário e um perfil de financiamento plurianual que, em tese, será definido pelas partes.

Na prática, como ajeitaram o Brasil dum jeito tal que já está na cama, isso significa transformar o nosso País na Israel latino-americana que, por sua vez, significa eventuais e futuros conflitos militares (previstos num relatório da ONU da década de 70) com países vizinhos hostis aos EUA, caso da Venezuela, Bolívia e outros.

 

O Exército brasileiro disporá de três mil novos tanques em 2030, mas que só funcionarão em favor dos interesses de Israel e dos EUA. Caso contrário, ferro velho. Abrimos mão de dispor de nossas tecnologias para entregar o País. A subsidiária FIAT/IVECO ganhou o contrato para produzir os novos tanques com opção anfíbia e estão sendo produzidos em Sete Lagoas, Minas Gerais.

 

Em 11 de dezembro de 2010 o Brasil comprou duas UAVs HERMES 450 e uma estação terrestre da Aeroeletrônica em Porto Alegre para uso militar.

 

 

http://www.army-guide.com/eng/article/article.php?forumID=1274

http://www.upi.com/Business_News/Security-Industry/2011/01/06/Brazil-contracts-for-unmanned-gunturrets/

UPI-66521294339687/#ixzz1FRaxcSGp

http://www.afcea.org/signal/signalscape/index.php/2011/01/elbit-to-provide-unmanned-turret-systemsto-

brazil/

http://www.negedneshek.org/exports/uavs ; http://wanderingraven.wordpress.com/category/israeliarms-

company

http://www.negedneshek.org/exports/uavs

Num show que percorreu o Brasil (enquanto a censura deixou) na década de 60, o cantor e humorista Ary Toledo, costumava cantar uma canção que falava sobre a descoberta do Brasil e num determinado momento tratava da nossa independência.

 

Ao final pronunciava assim a palavra independência – “ind’é pendente.”

 

Teve que explicar aos nossos gênios militares o que queria dizer com isso.

 

O Brasil foi e continua sendo ajeitado no seu todo para Israel.

 

O conglomerado EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A constrói aqui o futuro da América Latina. Semelhante ao do Oriente Médio nos dias atuais.

 

Tem a cumplicidade de figuras do governo, chefes militares, políticos, banqueiros, grandes empresários que no efeito cascata se beneficiam dos “negócios” – empresários não têm pátria – e do latifúndio interessado e lutando pela volta do modelo antigo de escravidão (ainda não se adaptou ao atual).

Parte V

Se numa laranjeira você enxergar apenas a laranja e não perceber a árvore, corre o risco de um dia vir a não ter mais a laranja. Não há todo sem parte, mas há parte sem todo.

 

O governo Lula viveu seus oito anos como um barco navegando na superfície do mar, mas consciente que havia um outro oceano, esse subterrâneo. Sombrio, sem luz e desejo de despejar seus tsunamis devastadores sobre países como o Brasil.

 

É claro e evidente que isso implicou em mudanças de curso, em concessões, em guinadas arriscadas no leme, mas não impediu que, ao final, um resultado positivo pudesse ser alcançado.

 

O ex-presidente terminou seus oito anos legando um Brasil vivo e presente no cenário internacional, abriu as perspectivas para transformações estruturais significativas e necessárias, que devem ser feitas agora, numa conjuntura que, objetivamente é favorável.

 

Tentar entender todo o processo de globalização, o neoliberalismo, a nova ordem econômica apenas pelo lado do econômico é aceitar que o oceano aparentemente tranqüilo – mas convulsionado – pelo conglomerado terrorista EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A, é a única realidade.

 

É preciso perceber que há uma terceira guerra mundial. Que a África é um continente devastado por lutas fratricidas incensadas pelos donos dessa ordem todos sabemos. Que a Ásia está sendo engolida pela China e o conglomerado tenta sobreviver desesperadamente em um e outro país é outra realidade visível a olho nu. Que a Europa Ocidental é uma colônia transformada em bases militares da OTAN é inegável. Que a Rússia e as repúblicas do Leste Europeu são uma grande incógnita disputada a ferro e fogo é outra parte do todo.

 

O Oriente Médio convulsionado e os povos muçulmanos sendo deliberadamente perseguidos e implacavelmente assassinados (caso dos palestinos principalmente).

 

Onde entra a laranja América Latina nessa história toda? O Brasil é a maior delas. A mais importante.

 

As condições objetivas criadas por Lula, malgradas as concessões, sinalizam na necessidade de um grande salto que implica num resgate de nossa história em sua totalidade (o baú da ditadura por exemplo) e em transformações capazes de ampliar e fazer virar realidade a participação popular.

 

Ao deixarmos que às margens de um oceano subterrâneo, em cumplicidade com setores das elites, com as elites militares, com o latifúndio, sejam plantadas laranjeiras israelenses, estamos nos permitindo ser a Israel de amanhã, o terror transformado em Estado no que alguns chamam de sub-imperialismo brasileiro, submetido ao imperialismo norte-americano/israelense (entender porque “imperialismo norte-americano/israelense” é simples. As grandes forças políticas dos EUA não têm forças e não sabem como enfrentar o poder sionista).

 

As empresas citadas nos artigos anteriores e no relatório dirigido pelo STOP THE WALL COMPAIGN ao governo brasileiro mostram que o papel de todo esse oceano subterrâneo, transformam o Brasil em cúmplice de sistemáticas violações do direito internacional. Os artigos 48, 51 e 52 do Protocolo Adicional das Convenções de Genebra exigem que combatentes façam distinção entre alvos civis e militares e não ataque a população civil. Esses ataques são sistemáticos, deliberados.

 

Dos 1 417 palestinos mortos na recente guerra de Gaza 926 eram civis e entre crianças. A análise por especialistas em conduta militar em todo o mundo mostra que Israel teve a intenção de promover essas mortes. Houve intenção de causar danos aos civis palestinos e uso excessivo de força, por conta políticas expansionistas, que roubam terras e riquezas palestinas (sionistas milenarmente nunca fizeram outra coisa que não isso, são anteriores ao sionismo, inventaram os bancos).

 

Na guerra do Líbano, em 2006, foram utilizados foguetes teleguiados para atacar ambulâncias e vários comboios civis.

 

As armas, nesse momento e há algum tempo, são fabricadas aqui com a cumplicidade dos militares brasileiros, de boa parte da elite empresarial.

 

O serviço secreto de Israel, a MOSSAD, assassina e seqüestra inimigos em qualquer parte do mundo, como fizeram agora em Abu Dab contra um integrante do Hamas. Que governa Gaza eleito – é um partido político – pelo voto popular.

 

Há uma conclusão de Al Hag sobre o assunto que, literalmente, afirma o seguinte.

 

Como uma potência ocupante, Israel é ainda legalmente obrigada a respeitar o Direito

Internacional Humanitário (DIH), que proíbe a matança deliberada de pessoas

protegidas. Homicídios intencionais são considerados uma violação grave da Quarta

Convenção de Genebra nos termos do artigo 147. Além disso, a política israelense de

assassinatos extrajudiciais falha, por alvejar civis, em respeitar o princípio fundamental

da distinção entre combatentes e civis. Além disso, Israel não respeita regularmente o

princípio da proporcionalidade, empregando meios letais excessivos levando à morte ou

lesão corporal dos transeuntes. Finalmente, assassinatos seletivos que são realizados em situações em que não há combate, não podem ser justificados por necessidades militares”

Todas as empresas israelenses que compraram ou se associaram a empresas brasileiras no setor bélico são partes da construção do Muro do ódio que sionistas buscam ampliar para separá-los (como povo ungido, Edir Macedo também acha isso do povo dele, tanto que já instalou templos em Israel, associação perfeita), como partes das ocupações ilegais de terras palestinas.

 

E aí formam o todo do terror de Estado, o conglomerado EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A.

 

O que o relatório pede ao governo brasileiro e o rompimento do acordo militar com Israel e o resgate da dignidade de nosso País em relação ao direito internacional, aos direitos humanos, o fim desse mar subterrâneo por transitam os zumbis da ditadura militar.

 

O muro desse novo Apartheid viola de forma brutal os direitos internacionais e humanos na Cisjordânia. As leis internacionais proíbem a anexação de território pela força, a destruição e o confisco de propriedade privada (adoram isso) e transferência forçada de população.

 

As leis internacionais asseguram o direito de circular livremente, o direito ao trabalho, a educação e a saúde.

 

Em 2004 o parecer consultivo do Tribunal Internacional de Justiça confirmou a ilegalidade do muro e conclamou os países ditos democráticos a tomarem atitudes diante dessa realidade boçal. Estão errando o alvo, o povo líbio está sendo punido.

 

O que se pede ao Brasil é que seja rompido esse negócio lucrativo de terror, de ódio, de saque, de roubo, de barbárie, no qual estamos atolados por ignorar o mar subterrâneo e permitir que por ali naveguem a estupidez de militares que não têm nada a ver com o Brasil, de elites podres e políticos que silenciam diante de crimes contra a humanidade, permitindo assim, que essas empresas “continuem a lucrar com os crimes de guerra israelenses enquanto que põe em duvida o compromisso do Brasil com os direitos humanos. É inaceitável que o governo brasileiro entregue dinheiro de seu contribuinte para essas empresas e ao final, uma decisão deverá ser tomada entre negociar com Israel ou se colocar ao lado do povo palestino”.

 

A íntegra do relatório que enche o Brasil de vergonha – até porque agora o culpado é o Irã – está no link abaixo.

http://pt.scribd.com/doc/52724653

*Laerte Braga é jornalista.

1 resposta »

Comente sem medo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s