Algum lugar entre a prosa e a poesia

Na Palestina todos vamos parar

Em que parte? Pra que olhos? Não é um filme?

Por Ana Helena Tavares*

Sob a sombra do belicismo daqueles a quem a paz não interessa, é noite por onde passaram os filisteus. E a manhã não começa. Desde o início, optaram por escurecer o sol, não ouvir Deus, aprisionando sua voz em um muro.

Com uma cobertura rala, a imprensa brinca com os fatos a seu bel prazer e um mundo de sofás atentos acomoda-se em assistir ao sangue derramado pelo vil metal.

Negócios negócios, paz à parte. Mas em que parte? Pra que olhos? Não é um filme? Não, não é. Hollywood experimenta a omissão dos cúmplices. Mas uma cineasta brasileira, tripulante da embarcação que, em missão de paz, foi alvejada – sem mais – filmou a realidade. Lembrando que, enquanto os olhos das mães de Gaza choram, lágrimas lágrimas, ficção à parte.

Enquanto isso, os donos da velha ordem mundial jogam promessas ao vento à espera que o vento esteja sempre a favor. E, numa ONU impotente, reticente, e tantas vezes conivente, o que se vê é uma diplomacia de fachada que discursa para o nada.

E a paz?

“Sei lá. O melhor é não procurar muito. Tragam pacotinhos vazios. A paz deve estar lá dentro.” Carlos Drummond de Andrade talvez respondesse isso. Talvez para nos lembrar que as mudanças da vida sempre seguem seu rumo e, às vezes, a paz é algo que chega quando a gente menos espera.

Mas, para que ela chegue, é preciso que seja plantada. Só plantando paz é possível colhê-la. É humanizar e ser livre, ou autodestruir-se.

Com o sorriso de seus generais sionistas, que, se achando os escolhidos, não se cansam de lançar à humanidade, um punhado de cogumelos nocivos, Israel se autodestrói a cada dia. Cravando de mortes a terra onde Cristo escolheu viver, impedindo o broto de chegar à mocidade, fazendo vidas valerem menos que poder e calando o diálogo com balas de canhão.

Contam com a inércia de um mundo doente. Diz-se por aí: “Não sou judeu nem mulçumano. Pra que me preocupar?” São mentes senis que só com a morte frente à frente verão que na Palestina todos vamos parar.

02 de Junho de 2010,
*Ana Helena Tavares, jornalista, escritora e poeta eternamente aprendiz.

1 reply »

Comente sem medo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s