Releituras

Honduras: a posição firme do Brasil e a ousadia dos golpistas

É humanizar e ser livre ou autodestruir-se

Por Ana Helena Tavares

Segundo informações do Ministério das Relações Exteriores, a situação hoje, 22 de Setembro de 2009, é crítica em Honduras. A Embaixada do Brasil teve a água, a eletricidade e as linhas de telefone fixo cortadas. Segundo a agência de notícias AFP, “a eletricidade está sendo mantida com gerador”. O Ministério informou, ainda, que o Brasil solicitou apoio à Embaixada dos EUA para que, “em caso de necessidade, ofereçam segurança e diesel para o gerador”. No entanto, ainda não há notícia de que tenham obtido retorno.

Segundo informações do site Uol, “militares de Honduras cercaram na manhã desta terça-feira (22) a embaixada brasileira em Tegucigalpa, onde permanece o presidente deposto, Manuel Zelaya, e obrigaram a retirada dos manifestantes que passaram a noite em frente ao edifício.”

Em Nova York, onde se encontra para participar da Assembléia Geral da ONU, Lula declarou à imprensa que, para ele, “o normal que deveria acontecer é que os golpistas deveriam dar um lugar a quem tem direito de estar nesse lugar, que é o presidente eleito democraticamente pelo povo”. Lula disse ainda: “Nós esperamos que os golpístas não entrem na Embaixada do Brasil”.

Em nota, os golpistas disseram que pretendem responsabilizar o Brasil por possíveis atos de violência: “A tolerância e a provocação que se realiza desde o local dessa representação do Brasil são contrárias às normas do direito diplomático e transformam a mesma e seu governo nos responsáveis diretos dos atos violentos que possam suscitar dentro e fora dela”, disseram.

Daí, cá com meus humildes botões, eu fico pensando… É sempre assim… A ambição desenfreada dos que nasceram para o despotismo não aceita que o povo, que pra eles só presta manipulado, enxergue com seus próprios olhos. Quando a democracia procura fortalecer-se por meio de consulta popular, a elite conservadora sente-se ameaçada e, tendo chance, tira o pó dos canhões. E não duvido que na caserna ainda repouse o sonho dourado da extrema direita brasileira. Os que ontem apoiaram o chumbo e que hoje continuam no poder, espalhados pelo Congresso, até podem fingir apoiar a paz, mas essa máscara não lhes segura no rosto.

Contar com a ignorância do povo sempre foi ferramenta fundamental de opressão política. Júlio César já sabia disso. Tanto aqui como em Honduras, as elites conservadoras mantém isso em comum: a voz deles é a voz de Deus, portanto povo não tem voz.

Reclamar seus direitos, cobrar deveres daqueles em quem bem mais que um voto, se depositou confiança. Quantos no mundo podem fazer isso e não fazem? Quantos não podem e nem sabem o porquê?

Os homens nascem com total liberdade de pensamento. Podem e devem valer-se dela ao longo da vida. É natural que quem tem um pensamento conservador chie com a possibilidade do progresso; é natural e vital que os progressistas da esquerda chiem junto para defender as idéias em que acreditam; o que não é natural, ou não deveria ser, é o comodismo, a apatia, a inércia.

Só plantando paz é possível colhê-la. É humanizar e ser livre, ou autodestruir-se. Parabéns à diplomacia brasileira pela posição firme de abrigar e apoiar aquele que é o presidente legítimo de Honduras.

22 de Setembro de 2009,
Ana Helena Tavares

Obs: Este texto foi escrito originalmente para a minha coluna na “Revista Médio Paraíba” e para o blog “Quem tem medo do Lula?“. Trata-se de uma atualização do meu artigo “Honduras e os pacotinhos vazios“.

Comente sem medo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s