Sonetos

Tempo: a sorte da vida?

*Para o meu amigo Maurício Vieira, que sabe que sem amor não há tempo que cure ferida.

Pelos caminhos do tempo

Eu, pêndulo deslumbrado,

Busco as rédeas do vento

Que sempre me havia guiado.

Dizem que o tempo é amigo da experiência,

Mas ele sozinho não me clareia o escuro

Que tão ingrata inconseqüência

Quer impor ao sonhado futuro.

Não digo que seja pura utopia

Acreditar que o tempo cura a ferida.

Essa na construção de um dia

Até pode ser doce concepção de vida.

Mas só se acha um vento na ventania

Quando do amor é a lição entendida.

28 de Agosto de 2009,

Ana Helena Tavares

Categorias:Sonetos, Todos os poemas

Tagged as: ,

Comente sem medo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s