Jornalista é contador de Histórias!

Onde ficam os direitos humanos?

Texto e fotos: Ana Helena Tavares

Michael, fotógrafo nascido e criado no Complexo do Alemão, chamou a atenção de todos ao dizer: “São realizados incontáveis eventos culturais maravilhosos lá no Complexo, coisas ligadas à literatura, pintura, música, dança, todo tipo de arte, e a mídia não cobre. Só entram lá para registrar violência. Só cobrem tiroteio!” Conseguiu emudecer por alguns segundos um auditório lotado de jornalistas e estudantes de comunicação.

O fotógrafo foi um dos destaques da sexta-feira, 27 de Março de 2009, marcada na Escola de Comunicação da UFRJ, localizada no campus da Praia Vermelha, pelo último dia do seminário internacional “Mídia e Violência”.

Logo após a fala de Michael, ocorrida num dos debates realizados à tarde, a jornalista Oona Castro, do site Overmundo, resolveu intervir, narrando a fala de um jornalista de “O Globo”, que não quis identificar e, que, há alguns anos, teria lhe contado a seguinte história: “Uma vez publicamos uma matéria falando sobre a trajetória de vida de uma pessoa do morro. Nunca recebemos tanta carta com leitores revoltados, dizendo coisas do tipo: ‘Como vocês tratam como ser humano um bandido?!’”

Com base nisso, falou do quanto, infelizmente, o trágico vende:

– Nossa sociedade também é muito reacionária e a mídia espelha o que a sociedade quer, disse a jornalista.

Completou dizendo que um dos grandes empecilhos para se fazer um jornalismo de qualidade no Brasil é que os brasileiros consideram natural tratar comunicação como algo com fins lucrativos.

Algumas horas antes disso, na palestra da manhã, falou Tião Santos, ligado ao movimento Viva Rio e atualmente coordenador do site da rádio comunitária Viva Favela. O radialista começou sua fala bem no tom do que Oona iria dizer à tarde, afirmando acreditar que, já que a sociedade, muitas vezes, só vê o outro como o pior, o feio, seria preciso uma inversão disso para haver um reflexo também na mídia.

Para ele, o ser humano, cada vez mais, disputa o poder por medo. E aí incluiu desde o medo que as pessoas têm de perder a própria identidade, o medo de perder um espaço que se julga conquistado, ao medo de perder um financiamento para aquele projeto dos sonhos. Nesse contexto, fez questão de frisar:

– Governo é uma coisa. Poder é outra.

Contou que nunca desanimou, mesmo nos momentos mais difíceis e que, certa vez, perguntado sobre o porquê de criar um site falando sobre favela, quando sabia que num meio como a internet só a classe média o iria ler, respondeu:

– Eu não sei quem vai acessar ou vai ouvir o que estou falando, mas eu estou falando.

Foi quando teve lugar a fala do jornalista Jorge Antonio Barros, do jornal “O Globo”, contando que, quando começou na grande imprensa, no início da década de 80, o espaço que imediatamente reservaram para ele, por ser negro e formado pela UNISUAM (Universidade localizada na Baixada Fluminense), foi o da reportagem de violência. Mas que, ainda assim, persistiu e hoje em dia pode dizer que gosta de trabalhar na grande imprensa.

– Ainda que isso para mim envolva inúmeras contradições, completou.

Das recordações que ele traz de seu início como jornalista nos anos 80, ele afirmou que, vez por outra, se pega lembrando o quanto, naquela época, as pessoas comuns – leitores dos mais diversos – tinham livre acesso às redações dos grandes jornais e usavam desse acesso. Iam mesmo. Cobravam pautas dos jornalistas, olho no olho, e muitas vezes conseguiam o que queriam. Havia uma proximidade imensamente maior do leitor com o jornalista.

– Hoje as pessoas já quase nem telefonam para as redações, acrescentou.

O mundo mudou e ele, que hoje mantém o blog “Repórter de crime”, contou ainda o quanto foi difícil conseguir um espaço para o blog dele dentro do domínio “globo.com”. E defendeu ferrenhamente o potencial dos blogs. Um potencial que para ele é altíssimo e ainda totalmente mal explorado.

– No blog é possível fazer uma crítica ao poder de uma maneira que não se vê na mídia tradicional, disse enfático.

Sobre sua experiência com blogs, comentou o quanto é difícil educar aqueles a quem ele apelidou de “A turma do mata e esfola” – pessoas que, sem dar a mínima chance ao diálogo, entram no blog dele usando de anonimato, ou nomes falsos, só para defender a violência policial como solução.

– Já consegui salvar algumas almas, brincou. Mas isso é muito complicado.

Depois de mais de vinte anos fazendo reportagens em áreas de risco, disse que não poderia sair dali sem frisar o abandono público em que se encontram as comunidades pobres nas grandes metrópoles brasileiras, como o Rio. Com essa deixa, aproveitou para falar da série “Ilegal e daí?”, do jornal “O Globo”, que, segundo ele, conseguiu dar alguma contribuição para a sociedade. Admitiu, porém, que a expressão “direitos humanos” é algo fora de pauta na grande imprensa.

Depois tentou descontrair:

– Preciso do emprego e acho que já tô falando mais do que devia.

28 de Março de 2009,

Ana Helena Tavares

Link para esta matéria no blog República Vermelha

Comente sem medo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s