Coisas impossíveis

– Para o meu amigo Marcelo Nogueira, que se já não bastasse ser ele próprio um verdadeiro carnaval fora de época ainda insiste em dizer que já viu alguém dançando freneticamente o fado… : )

Tocar saxofone em Marte
O mundo sem arte

Bandeiras paradas na ventania
Morcego morder de dia

Uma cobra andar de lado
Dançar freneticamente o fado

Correr numa bicicleta a 300 por hora
Chupar cana comendo amora

Passear livre e solto pela parede
Ficar dois dias sem água e sem ter sede

Construir um país em dois meses
A humanidade sem interesses

O bem trapaceando o mal
Pepinos formando um grupo social

Líder sem seguidor
Sacrifício indolor

Lágrima que brota colorida
Uma guerra mundial ser vencida

Paz com muro
O sol raiar escuro

Uma vida assim, assim
Banqueiro sem din-din

Venda sem produto
Palmeira dar fruto

Saci sem cachimbo
Fim-de-semana sem domingo

Beta sem alfa antes
Quixote sem Cervantes

Julieta sem Romeu
Um padre ateu

O céu virar chão
Homem sem coração

Sangue azul
Estar no norte e no sul

Jornal sem notícia
Verdade fictícia

Bebê que fale ao nascer
Sem versos um poeta viver

A Terra sem o mar
A poesia acabar…
Ana Helena Ribeiro Tavares,

14/07/08

Publicidade

Considerações sobre a questão da verdade

– Para Vera Vidal, minha filósofa amiga, minha amiga filósofa, que nunca deixou de acreditar nessa sua avoada orientanda, nunca deixou de acreditar no seu “prodígio da síntese”…

Verdade… Eis aí um conceito dos mais polêmicos. Palavra de estranha magia, que vem estimulando a imaginação do ser humano desde os primórdios da humanidade.

Será possível encontrar verdades inquestionáveis? Ou, ao menos, escolher entre as possíveis verdades, aquela que nos for mais cômoda, por parecer-nos mais adequada? Será??? Certamente, a grande maioria das pessoas, não saberia como responder a essas perguntas. Essa questão que à primeira vista pode até parecer banal, é tão ou ainda mais relativa do que a relação tempo/espaço, consagrada pela famosa “teoria da relatividade” de Einstein… Teoria que bem poderia ser aplicada ao conceito de verdade…

Foi justamente por não conseguir conviver com essa dúvida, que René Descartes dedicou-se, entre outras atividades, a pesquisar, incansavelmente, esse conceito. E para ele a única verdade que não poderia ser posta à prova é o fato de pensarmos, pois para ele só existimos porque pensamos, é o “Penso, logo existo”, ou seja, existo enquanto ser pensante. Ele acreditava, também, que dentre as supostas verdades que nos são apresentadas devemos, sempre, escolher a mais simples. Isso lhe parecia mais lógico…

Baseada nessas convicções cartesianas, arrisco-me a fazer um paralelo com o conceito de loucura… Como destinguir se uma pessoa está mesmo louca ou se apenas foge às verdades preestabelecidas e aceitas pela maioria, no que se pode chamar de “acordo involuntário”? Penso que não conseguir mesmo controlar o que se diz e não ter plena consciência do que se pensa, é que realmente pode-se chamar de loucura, pois quando a pessoa se acha meio louca, muitas vezes, por se achar diferente da maioria , isso não deve ser considerado loucura… Apenas, essa pessoa segue uma linha de pensamento que nos parece estranha, justamente pelo fato de o seu conceito de verdade fugir ao senso comum. O próprio Descartes deve ter sofrido esse tipo de preconceito que, aliás, deve ser a sina de todo o grande gênio. Digo isso, porque o processo de formação de opinião sobre qualquer assunto, traz muitas dúvidas, podendo levar a caminhos estranhos, quase sempre, incompreendidos pela maioria. E talvez seja esse o preço da “escala do conhecimento”, um dos principais métodos de Descartes.

Não tenho a pretensão, portanto, de ter certeza de nenhuma verdade, mesmo porque não acredito em verdades absolutas! Entretanto, concordo com Descartes quando ele diz que devemos escolher as verdades que nos pareçam mais simples. Afinal, se já é instintivo tentarmos definir as melhores verdades para nós, por que desafiar nossa própria natureza?

Ana Helena Ribeiro Tavares
15/07/02

%d blogueiros gostam disto: