A garça

Foto: Ana Helena Tavares

A garça com seu pescoço palito
Olhava a água de um negro infinito
Bem queria avistar ali alimentos
Bem queria estar vendo outros ventos

Inerte, em sua imposta impotência,
Da proa de um velho barco, põe-se a olhar o horizonte
Parece pedir ao mundo clemência
Ou talvez ela só quisesse voar

21/03/2009,
Ana Helena Tavares

Rotinas e retinas

Foto: Ana Helena Tavares

A moça pobre estirada no chão
Adormece na cama de cimento
O senhor com o cigarro na mão
Sorri em meio ao fumo cinzento

A moça que não larga o celular
Se sente na moda, se sente chique
A trabalhadora cheia de bolsas pra carregar
Se vê a ponto de um chilique

O mauricinho rói unhas… Velho vício
Música e buzina a se misturar
Os aposentados seguram cartões de benefício
Benefício de que? Parecem pensar…

O soldador se arrisca sem segurança
Talvez seja o sustento de sua casa
O motoqueiro na calçada esbanja confiança
Até parece que sua moto tem asa

E o sono de quem segura cartazes?
Opa! Cuidado, assim a placa cai…
Mas o pior são os que já perderam as bases
É triste não se saber pra onde vai…

Mas sempre há quem tente clarear a estrada
A maravilha da cidade é seu povo camarada.

Ana Helena Ribeiro Tavares,

10/07/08

%d blogueiros gostam disto: