Jardel Sebba: ‘Eleitor não votou em Moro’

O ex-presidente da Assembleia Legislativa de Goiás, Jardel Sebba

Por Renato Dias

O eleitor não votou em Sérgio Moro para a presidência da República, dispara o ex-presidente da Assembleia Legislativa Jardel Sebba [PSDB]. Quem deve mandar é Jair Messias Bolsonaro, insiste. O ex – magistrado saiu com um comportamento não republicano do Ministério da Justiça e Segurança Pública, acredita. Mensagens de celular não constituem provas robustas, fuzila. Apenas o tempo irá dizer com quem está o monopólio da verdade, da razão, afirma ele. O poder de nomeação é privativo de Jair Bolsonaro, avalia. “O ex-juiz extrapolou a sua função.”

_ O estabelecimento de uma crise política e institucional sob a Pandemia do Coronavírus Covid 19 é contraproducente. Ao Brasil. Com milhares de contaminados, infectados, mortos.

Jair Bolsonaro erra ao não usar máscaras, anunciar uma suposta ‘gripezinha’, estimular flexi­bili­­za­­ção, sair às ruas, cumprimentar eleitores, fazer ‘selfies’, pontua o médico e ex-secretário de Es­tado. O impeachment de Dilma Rousseff teve motivação política, diz. O ex-prefeito de Ca­ta­lão rejeita a proposta de impedimento do inquilino do Palácio do Planalto. A Pandemia, a re­cessão global, a crise econômica que grassa os setores primário, secundário e terciário, mos­tram que nada será como antes, atira. A flexibilização da Economia agrava o cenário de saúde.

– A abertura do transporte coletivo transformou-se em um caos. A explosão da curva de contaminação pode ocorrer em 15 dias. A crise afetará a sociedade brasileira.

Publicidade

“Governo Bolsonaro acabou”, diz deputado federal de Goiás

O deputado federal Rubens Otoni Gomide (PT-GO).

Por Renato Dias, especial – De Brasília

A saída de Sérgio Moro, do Ministério da Justiça e Segurança  Pública, é ‘oportunista’, dispara o deputado federal Rubens Otoni [PT-GO]. Servil a Jair Bolsonaro, desde a condenação de Luiz Inácio Lula da Silva, sem provas, com base em ilações, que permitiu a eleição do ex – capitão do Exército Brasileiro [EB], em 2018, fundadas em ‘tusunami de Fake News’, diz  o parlamentar.

– Sérgio Moro não investigou o caso Queiróz, o assassinato de Mariele Franco, vereadora do Psol, Rio de Janeiro, muito menos os casos das ‘Fake News’.

Economia e Covid 19

Paulo Guedes, ministro da Economia, um adepto das ideias da Escola de Chicago, dos EUA, insiste no ajuste fiscal, traz o desmonte do Estado, com índices elevados de desemprego e desalento, alto número de homens, mulheres e crianças em grave situação de vulnerabilidade social, além de um enorme contingente de brasileiros no mercado de trabalho informal, reclama.

– O governo de Jair Messias Bolsonaro acabou!

Sem planejamento, a União não enfrenta com políticas públicas de saúde e sanitárias a Pandemia do Coronavírus Covid 19, que iniciou-se na China, instalou-se na Europa, chegou aos Estados Unidos das Américas e somente depois ao Brasil, lamenta Rubens Otoni. O líder petista alerta para o crescimento das curvas de contaminados e de mortes, no País. “Absurdo.”

– Jair Messias Bolsonaro viola a recomendação de isolamento social horizontal da Organização Mundial de Saúde,faz pronunciamento, desestimula uso de máscaras e presta desserviço

Ditadura, não!

O Brasil deveria realizar investimentos públicos, suspender o programa de redução do Estado, gastar na área de saúde, cuidar das pessoas, metralha. Primeiro, o ser humano, depois a economia, frisa. “Jair Bolsonaro participa de atos que rasgam a Constituição Federal, como as manifestações que pedem o fechamento do Congresso Nacional, do STF e a censura à imprensa”.

– Como a volta da ditadura civil e militar. Uma noite que durou 21 anos. Tempos sombrios.

%d blogueiros gostam disto: