As mudanças, por Camões – um poema que o gênio português não deixou nos Lusíadas

Sou filha e neta de portugueses e muito me orgulho disso. Gente trabalhadora e guerreira, de onde trago meus exemplos de vida.  Hoje, dia de Camões, dia de Portugal, deixo aqui um belíssimo e pouco conhecido poema camoniano.

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades

Por Luís de Camões

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.
Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,

Que já foi coberto de neve fria,

E em mim converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,

Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía.

Obs: A imagem é uma junção de duas fotos. A foto de uma paisagem coberta de neve é de Patty Duft. A foto do caminho coberto de verde é de Diego Rieciri Carraro. Montagem e tratamento das imagens: Ana Helena Tavares.

Você sabe com quem está falando?

A fantástica palestra abaixo prova de forma descontraída o quanto somos miúdos no universo e o quão ridículos são os que se acham melhores que os outros. Vale mesmo a pena assistir por inteiro.

É por isso que Fernando Pessoa dizia não saber “como falar com seus superiores sem titubear”. Confira no vídeo abaixo o insuperável “Poema em linha reta” declamado pelo genial Osmar Prado:

%d blogueiros gostam disto: