As mudanças, por Camões – um poema que o gênio português não deixou nos Lusíadas

Sou filha e neta de portugueses e muito me orgulho disso. Gente trabalhadora e guerreira, de onde trago meus exemplos de vida.  Hoje, dia de Camões, dia de Portugal, deixo aqui um belíssimo e pouco conhecido poema camoniano.

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades

Por Luís de Camões

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
Todo o mundo é composto de mudança,
Tomando sempre novas qualidades.
Continuamente vemos novidades,
Diferentes em tudo da esperança;
Do mal ficam as mágoas na lembrança,
E do bem, se algum houve, as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,

Que já foi coberto de neve fria,

E em mim converte em choro o doce canto.

E, afora este mudar-se cada dia,

Outra mudança faz de mor espanto:
Que não se muda já como soía.

Obs: A imagem é uma junção de duas fotos. A foto de uma paisagem coberta de neve é de Patty Duft. A foto do caminho coberto de verde é de Diego Rieciri Carraro. Montagem e tratamento das imagens: Ana Helena Tavares.

Cuidado com o Machado que ele quer descer!

Como se pode ver, a cara de Machado de Assis, na estátua em frente à ABL, é de poucos amigos. Qualquer dia, ele descerá daí e pedirá uma reunião com Paulo Coelho, José Sarney e Merval Pereira. Exigirá que provem seus dotes literários. Eu não gostaria de estar por perto.

Como se pode ver, a cara de Machado de Assis, na estátua em frente à ABL, é de poucos amigos. Qualquer dia, ele descerá daí e pedirá uma reunião com Paulo Coelho, José Sarney e Merval Pereira. Exigirá que provem seus dotes literários. Eu não gostaria de estar por perto.

Como ele não pode descer, onde quer que ele esteja certamente está dando graças a Deus por não ter tido filhos: “‎Não transmiti a nenhuma criatura o legado de nossa miséria.” (Brás Cubas)

E, lá onde ele estiver, algo me diz que está abraçado a Cazuza, cantando “Ideologia”: “Os meus inimigos estão no poder”…

Ana Helena Tavares

%d blogueiros gostam disto: