Dia: maio 19, 2011

Língua e Liberdade

Por Ana Helena Tavares Em estudo de línguas, não pode haver erro maior do que o de não admitir que não existem erros. Você pode estar errado dentro dos padrões da norma culta. E só. O resto são variações. No entanto, menosprezar a importância da gramática normativa, me parece um comportamento tão opressor quanto o tradicional. Se este último oprime por fazer o aluno acreditar que sua língua é difícil; o seu oposto oprime por não dar ao aluno a liberdade de escolha.

Palestina: rumo a uma estratégia gandhiana?

Por Antonio Martins O reconhecimento do Estado Palestino por um número crescente de países, nos últimos meses, tende a gerar, em pouco mais de cem dias, um fato de enorme relevância. É muito possível que as Nações Unidas reconheçam a independência do país hoje controlado por Israel – e o admitam em seu seio. A decisão poderia ser parcialmente revertida pelo Conselho de Segurança da ONU, mas a nação que se dispusesse a impor o veto sofreria um imenso desgaste político.