Com licença, sociedade, que eu vou sair por aí com a minha caneta (II)

Era o caos para o cenário. O caos: o inesperado. Não para mim. Eu já conhecia aquele rosto. Até o violão, estou certa, era o mesmo. Mas, dessa vez, ele não estava só. Por Ana Helena Tavares* O ônibus seguia calmamente seu rumo. Era uma tarde fria, apesar de o cenário ser a Central do … Continue lendo Com licença, sociedade, que eu vou sair por aí com a minha caneta (II)