Um poeminha sem nome

Os carros passam As nuvens com contornos mil Os observam imóveis Imponentes A vida passa Os seres com mente vil A observam escorregadios Impertinentes Os seres passam A vida a alguns sorriu Não aos vazios Mas aos diferentes. Abril de 2010, Ana Helena Tavares Também no Recanto das Letras