Todos os poemas

Aceita o Ano Novo?

Quer vir por aí um verdadeiro ano novo
Aurora de vida, aurora de começo
Aquele que, do ninho, é único ovo
Aquele que nasceu para o seu endereço.

Mas você o aceita
ou você o enjeita?
Quantas vezes você ri de si mesmo
achando que solta o riso a esmo?

E, assim, dos novos faz velhos,
não avança nem alcança
As pedras que poderiam
construir castelos.

Foi mal-vivido seu ano passado?
Faz novo, faz lavado…
Foi sem-sentido seu ano antigo?
Embaralha-o, joga pro alto, qual o perigo?

O perigo é ficar olhando o novo chegar
“Vou fazer regime segunda-feira”
Os janeiros ficam a nos esperar
“Mas que adianta se como bolo na terça-feira?”

Não aceite pinturas, remendos de um ano novo fajuto
Há que se plantá-lo a cada minuto, a cada segundo
Preste atenção às formiguinhas com olhar astuto
Como acha que elas sobrevivem nesse mundo?

Dentro é que importa, o fora não chora
Aparência não vale um sorriso
Quanto mais lágrimas de paraíso
Lágrimas de renovação, de um ano que foi embora

E foi bem-vivido o seu ano?
Faz novo também, torce o pano.
E fez sentido seu ano que ficou pra trás?
Embaralho-o também, nada que faz muito sentido é bom demais.

Um pouco de bagunça também é bom
Mas, epa, há um figurino…
Comer, passear, ficar no bem bom…
Até parece que é só isso o destino…

Figurino de trabalho, figurino de estudo
Tudo isso terá no ano vindouro…
E por que não? Mas abra os braços sem escudo…
E tudo isso será tesouro.

Você não precisa se embebedar na virada
Tudo que o ano novo quer é que você empilhe as pedras da estrada.

07 de Dezembro de 2008,
Ana Helena Ribeiro Tavares

Aceita o ano novo?

Categorias:Todos os poemas

Marcado como:, ,

1 resposta »

  1. Adeus ano velho, feliz ano novo é o chavão mais conhecido de todo fim de ano. Mas como recebemos o novo que está chegando? Será que acreditamos mesmo que ele será feliz? Ou cremos que será igualzinho ao anterior?
    “Quem sabe faz a hora não espera acontecer”, disse Geraldo Vandré. Quantas horas perdemos sem saber o que fazer ou como fazer e até mesmo sem querer nada fazer. Depois dessa bela leitura só me resta acreditar e pôr as mãos na massa. Mexe daqui, sova dali, estica, puxa e assim vamos dando forma ao môdelo, que poder não ser perfeito, mas que com certeza é o melhor que podemos fazer com todo nosso esforço e vontade de mudar e crescer.
    Feliz Ano Novo!

    AnaLu Fernandes

    Curtir

Comente sem medo

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s