«

»

mar 29 2012

Imprimir Post

A manifestação dos caras-pintadas diante do Clube Militar

Important!

Recortes da Realidade – seção de clipping do QTMD?

Por Hildegard Angel no R7 - "Os cartazes com os rostos eram sacudidos. À menção de cada nome de desaparecido ao alto-falante, a multidão berrava: "Presente!". Havia tinta vermelha cobrindo todo o piso de pedras portuguesas diante da portaria do edifício. O sangue dos mortos ali lembrados. Tremulavam bandeiras de partidos políticos e de não sei o quê mais, porém isso não me importava."

A manifestação dos caras-pintadas diante do Clube Militar

Por Hildegard Angel –  em seu blog no R7

Foi um acaso. Eu passava hoje pela Rio Branco, prestes a pegar o Aterro, quando ouvi gritos e vi uma aglomeração do lado esquerdo da avenida. Pedi ao motorista para diminuir a marcha e percebi que eram os jovens estudantes caras-pintadas manifestando-se diante do Clube Militar, onde acontecia a anunciada reunião dos militares de pijama celebrando o “31 de Março” e contra a Comissão da Verdade.

Só vi jovens, meninos e meninas, empunhando cartazes em preto e branco, alguns deles com fotos de meu irmão e de minha cunhada. Pedi ao motorista para parar o carro e desci. Eu vinha de um almoço no Clube de Engenharia. Para isso, fui pela manhã ao cabeleireiro, arrumei-me, coloquei joias, um vestido elegante, uma bolsa combinando com o rosa da estampa, sapatos prateados. Estava o que se espera de uma colunista social.

A situação era tensa. As crianças, emboladas, berrando palavras de ordem e bordões contra a ditadura e a favor da Comissão da Verdade. Frases como “Cadeia Já, Cadeia Já, a quem torturou na ditadura militar”. Faces jovens, muito jovens, imberbes até. Nomes de desaparecidos pintados em alguns rostos e até nas roupas. E eles num entusiasmo, num ímpeto, num sentimento. Como aquilo me tocou! Manifestantes mais velhos com eles, eram poucos. Umas senhoras de bermudas, corajosas militantes. Alguns senhores de manga de camisa. Mas a grande maioria, a entusiasmada maioria, a massa humana, era a garotada. Que belo!

Eram nossos jovens patriotas clamando pela abertura dos arquivos militares, exigindo com seu jeito sem modos, sem luvas de pelica nem punhos de renda e sem vosmecê, que o Brasil tenha a dignidade de dar às famílias dos torturados e mortos ao menos a satisfação de saberem como, de que forma, onde e por quem foram trucidados, torturados e mortos seus entes amados. Pelo menos isso. Não é pedir muito, será que é?

Quando vemos, hoje, crianças brasileiras que somem, se evaporam e jamais são recuperadas, crianças que inspiram folhetins e novelas, como a que esta semana entrou no ar, vendidas num lixão e escravizadas, nós sabemos que elas jamais serão encontrada, pois nunca serão procuradas. Pois o jogo é esse. É esta a nossa tradição. Semente plantada lá atrás, desde 1964 – e ainda há quem queira comemorar a data! A semente da impunidade, do esquecimento, do pouco caso com a vida humana neste país.

E nossos quixotinhos destemidos e desaforados ali diante do prédio do Clube Militar. “Assassino!”, “assassino!”, “torturador!”, gritava o garotinho louro de cabelos longos anelados e óculos de aro redondo, a quem eu dava uns 16 anos, seguido pela menina de cabelos castanhos e diadema, e mais outra e mais outro, num coro que logo virava um estrondo de vozes, um trovão. Era mais um militar de cabeça branca e terno ajustado na silhueta, magra sempre, que tentava abrir passagem naquele corredor humano enfurecido e era recebido com gritos e desacatos. Uma recepção com raiva, rancor, fúria, ressentimento. Até cuspe eu vi, no ombro de um terno príncipe de Gales.

Magros, ainda bem, esses velhos militares, pois cabiam todos no abraço daqueles PMs reforçados e vestidos com colete à prova de balas, que lhes cingiam as pernas com os braços, forçando a passagem. E assim eles conseguiram entrar, hoje, um por um, para a reunião em seu Clube Militar: carregados no colo dos PMs.

Os cartazes com os rostos eram sacudidos. À menção de cada nome de desaparecido ao alto-falante, a multidão berrava: “Presente!”. Havia tinta vermelha cobrindo todo o piso de pedras portuguesas diante da portaria do edifício. O sangue dos mortos ali lembrados. Tremulavam bandeiras de partidos políticos e de não sei o quê mais, porém isso não me importava. Eu estava muito emocionada. Fiquei à parte da multidão. Recuada, num degrau de uma loja de câmbio ao lado da portaria do prédio. A polícia e os seguranças do Clube evacuaram o local, retiraram todo mundo. Fotógrafos e cinegrafistas foram mandados para a entrada do “corredor”, manifestantes para o lado de lá do cordão de isolamento. E ninguém me via. Parecia que eu era invisível. Fiquei ali, absolutamente sozinha, testemunhando tudo aquilo, bem uns 20 minutos, com eles passando pra lá e pra cá, carregando os generais, empurrando a aglomeração, sem perceberem a minha presença. Mistério.

O choro de Hilde. Foto: Maysa Blay

Até que fui denunciada pelas lágrimas. Uma senhora me reconheceu, jogou um beijo. E mais outra. Pessoas sorriram para mim com simpatia. Percebi que eu representava ali as famílias daqueles mortos e estava sendo reverenciada por causa deles. Emocionei-me ainda mais. Então e enfim os PMs me viram. Eu, que estava todo o tempo praticamente colada neles! Um me perguntou se não era melhor eu sair dali, pois era perigoso. Insisti em ficar l mesmo, com perigo e tudo. E ele, gentil, quando viu que não conseguiria me demover: “A senhora quer um copo d’água?”. Na mesma hora o copo d’água veio. O segurança do Clube ofereceu: “A senhora não prefere ficar na portaria, lá dentro? “. “Ah, não, meu senhor. Lá dentro não. Prefiro a calçada mesmo”. E nela fiquei, sobre o degrau recuado, ora assistente, ora manifestante fazendo coro, cumprindo meu papel de testemunha, de participante e de Angel. Vendo nossos quixotinhos empunharem, como lanças, apenas a sua voz, contra as pás lancinantes dos moinhos do passado, que cortaram as carnes de uma geração de idealistas.

A manifestação havia sido anunciada. Porém, eu estava nela por acaso. Um feliz e divino acaso. E aonde estavam naquela hora os remanescentes daquela luta de antigamente? Aqueles que sobreviveram àquelas fotos ampliadas em PB? Em seus gabinetes? Em seus aviões? Em suas comissões e congressos e redações? Será esta a lição que nos impõe a História: delegar sempre a realização dos “sonhos impossíveis” ao destemor idealista dos mais jovens?

Comments

comments

Link permanente para este artigo: http://quemtemmedodademocracia.com/2012/03/29/a-manifestacao-dos-caras-pintadas-diante-do-clube-militar/

12 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Marcia Eloy

    É impressionante ver que o nazismo, sim não existe outro nome, ainda está vivo na sociedade brasileira e no mundo, o norueguês qiue está sendo julgado que o diga.. O poder pela força, os dogmas ditados, os papagaios que os repetiam como se não tivessem mentes próprias.Quem viveu este período de terror e horror, não pode ter pena de quem recebeu vaias. Vamos fazer uma investigação na vida destes senhores, o que será que eles fezeram, para estar lá comemorando o golpe militar? Vários comentários postos aqui, também devem ter muita pena dos nazistas mortos pelos aliados. A História se inverte. Não foram os judeus, ciganos e comunistas que foram mortos em campo de concentração. Não, para muitos isto não existiu! Como aqui,não foram os que lutaram contra a Ditadura que foram presos, mortos e torturados que foram agredidos.Não, foram estes senhores, que serviram como soldadinhos de chumbo, dos latifundiários,banqueiros e empresários que foram os heróis.Na verdade eles são dignos de pena, não tem a menor idéia da História do Mundo, do desenvolvimento das nações, do respeito pelo pensamento alheio, não conhecem e não estudaram nada sobre isto a eles só foi ensinado tiro ao alvo, lutar contra inimigo, e obedecer aos superiores.E foi o que eles fizeram obedeceram a ordens superiores, principalmente a ordens vindas do EEUU, que para muitos é um exemplo de Democracia, mas esquecem que este país é um país bélico que invadiu o Vietnan. Iraque, Afeganistão, matando milhares de pessoas e ainda mantem Guantanamo, onde presos são considerados terroristas, mas não tem direito a defesa. Seus soldados humilham os vencidos, isto constatado por fotos tirados por soldados que não concordam com estes atos absurdos. Isto vocês chamam de Democracia, quem não concorda com isto é terrorista!!! BrazilBrazil

    1. Claudio

      Quanta besteira escrita junta meu Deus, não tenho nem vontade de argumentar e desconstruir tamanha obra do desconhecimento! Como pode ter tanta gente ignorante tentando se expressar sobre o que claramente não conhecem!! BrazilBrazil

  2. Sérgio Vanti

    Este texto é superficial, desinformado e em última análise uma fraude!
    Todos sabem que os heroizinhos estavam sendo pagos. Não sabia?
    Lamentável BrazilBrazil

  3. Marco

    Os torturadores aposentados não têm nada melhor a fazer do que sujar os fóruns da Internet com suas palavras toscas e mal articuladas. O pijama que usam deveria ter listras verticais. O golpe e a ditadura foram realizados e mantidos na base da subversão da ordem legal, mentira, censura e corrup$$ão. Cada vez que botarem a cara na rua, de agora em diante, receberão merecidas vaias e desprezo. Voltem para a seção de cartas do Globo. BrazilBrazil

  4. Lucia

    noooosaaaaaaaaaaa! quanto comentário de 4%!!!!!!!!!!!!!vcs não erraram de site?que tal ir para a globo e ficar por lá? BrazilBrazil

  5. Luiz Citelli

    Parabéns aos nossos gloriosos militares,fizeram o trabalho certo,nos livraram provisoriamente do comunismo,respeito as dores de todos que perderam entes queridos,mas o caminho que deveria-se tomar naquela época,sem duvidas, foi certo…Porem,atualmente estamos sem governo,tudo caminha para que,seja necessário novamente intervir,chega de roubalheiras,nossos entes queridos hoje tombam por qualquer banalidade,estamos num país sem leis e corrompido e nossos jovens aliciados e viciados,difícil uma família não estar contaminada e sofrendo ,e não sabendo onde procurar amparo,a corrupção moral está tão grande que abala os fundamentos do próprio céu…Salve 31 de Março.Brasil acima de tudo,com ordem trabalho e progresso… BrazilBrazil

  6. Helena

    “O que intriga nas manifestações de ontem é que, se havia alguma provocação, ela partiu justamente daqueles que se reuniam para um ato que celebrava o 31 de março, depois de a presidenta, no ano passado, ter proibido qualquer festividade e alusão ao golpe! A antecipação da reunião para o dia 29 foi uma falácia de quem desobedecia uma ordem expressa da comandante em chefe de nossas Forças Armadas. Uma descarada insubordinação, que contou, no entanto, com todo o apoio da nossa polícia para a sua realização e para dar segurança aos participantes do evento. E dá-lhe gás no rosto dos manifestantes que protestavam contra isso!”, disse Hildegard Angel.
    A jornalista perdeu o irmão Staurt Angel por asfixia ao ter a boca colada a um cano de descarga de jipe, a cunhada Sonia por hemorragia interna, depois de ser estraçalhada na tortura. Assim eram as prisões da ditadura civil-militar. Ela também perdeu a mãe, de “acidente” provocado. E tantos outros perderam tantos outros…
    Os militares torturadores, simpatizantes e amiguinhos, que aqui também estão representados, devidamente protegidos pela polícia, celebravam esses e outros fatos tão divertidos, em sua festinha. Realmente, que mal comportandos os manifestantes atrapalhando o sossego dos idosinhos… BrazilBrazil

    1. Samya

      Helena ! bem obeservado, a Dilma agora quer probir a comemoraçao de 64 ? Agora só falta ela proibir de comemorar-se o dia 7 de setembro, 15 de novembro, etc …A Dilma não quer que comemorem o dia 31 de março, porque ela e seus amigos terroristas foram derrotados pelo Exército…E essa é uma mágoa que por mais que eles façam,terão que levar para o resto da vida…Temos que ter nervos AÇO eles jamais se conformarão….E agora o principal alvo deles é acabar com o Exército brasileiro. Engraçado que ninguém cita a bomba de guararapes, o sequestro do embaixador americano ,do sequestro e morte do embaixador japones, dos assaltos a bancos, da explosão no quartel que matou o soldado Mario Kosel, crimes que os guerrilheiros cometeram contra pessoas inocentes, e não falam também dos justiçamentos quando matavam seus proprios companheiros se na dúvida se eram traidores ou não…Tudo isso na tentativa de instalar o comunismo no Brasil, só que agora pregam a mentira de que lutavam pela democracia. Mentira essa que muitos fazem que acreditam por convêniencia para auferir lucros com indenizações milionárias como perseguidos, sinto muito pelos familiares da “Jornalista” mas a questão é, será que eles não estavam envolvidos com os guerrilheiros comunistas da época, e quem iniciou a luta armada foram os guerrilheiros comunistas, com certeza esses também torturaram e mataram, afinal era uma guerra e numa guerra sempre ocorrem os excessos dos dois lados, então se tiver que punir tem que punir os guerrilheiros também pelos seus crimes. o mal da humanidade é o dinheiro e o poder…Deus proteja o Brasil e os brasileiros dessa nova onda comunista que se abate sobre a nação… BrazilBrazil

  7. Frederico Fabrizzio

    Homenagem aos que morreram vítimas dos terroristas assassinos e
    sequestradores: em memória especialmente do tenente Alberto Mendes Jr,
    covardemente assassinado pelo terrorista Carlos Lamarca;

    Mário Kozel Filho,
    covardemente assassinado pelos terroristas da VAR-Palmares, incluindo a cuecuda dilma;

    Carlos Argemiro
    Camargo, covardemente assassinado pelos terroristas da FALN;

    Manoel Da Silva
    Dutra, covardemente assassinado por um grupo terrorista do qual fazia parte o sr.
    Carlos Minc;

    Edson Régis de Carvalho, covardemente assassinado pelos
    terroristas que jogaram uma bomba no aeroporto de Guararapes;

    Nelson Gomes
    Fernandes, covardemente assassinado pelos mesmos terroristas na mesma ocasião;

    Raimundo de Carvalho Andrade, covardemente assassinado pelos terroristas que
    ocupavam o Colégio Campinas, em Goiânia;

    José Gonçalves Conceição, covardemente
    assassinado pelos terroristas da Ala Marighella;

    Agostinho Ferreira Lima,
    covardemente assassinado pelos terroristas da ALN;

    Alzira Baltazar de Almeida ,
    covardemente assasinada pelos terroristas que atacavam uma viatura policial;

    Newton de Oliveira Nascimento, covardemente assassinado pelos terroristas da
    ALN;

    E a lista é longa demais, isso aí nem dá um milésimo dela. E do que é mesmo que esses jovenzinhos arrogantes, acéfalos e sem memória “não esquecerão”? E se aquela burra está viv a, que agradeça aos militares por isso. BrazilBrazil

  8. Fabrizio Jonas

    desculpe-me decepcioná-la minha senhora, mas esses jovens não são heróis, a partir do momento em que se reúnem para protestar com o intuito de receber dinheiro pelo protesto…
    nosso país já teve jovens que realmente protestavam…
    acho inclusive que os “delinquentes” da USP tem mais valor do que esses que se apresentaram diante do Clube Militar, pois aqueles lutavam por ideais próprios. BrazilBrazil

  9. Miguel Baia Bargas

    Texto lindo e emocionante… Grande Hildegard Angel! BrazilBrazil

  10. Teresa Prata

    Nada eh por acaso, Hildegard. Bom estar viva pra presenciar essa reação dos nossos jovens caras pintadas. Pena que a policia estivesse presente pra reagir com bombas de gás lacrimogêneo e pistolas elétricas. Mas nossos jovens estavam lá, isso eco que importa. Nao esquecerão. Nao esquecerão. BrazilBrazil

Comentários foram desabilitados.